Myanmar. Detidos jornalistas que escreveram artigo sobre protegido de Aung San Suu Kyi

Kyaw Zaw Lin, Nayi Min e Phyo Wai Win foram detidos depois de terem assinado um artigo em que colocam em causa a transparência de um negócio conduzido por Phyo Min Thein. O chefe da administração de Naypyidaw é visto como um protegido da líder do Governo, Aung San Suu Kyi.

Três jornalistas da antiga Birmânia foram detidos esta quarta-feira devido a um artigo crítico sobre um político que é considerado um protegido da chefe do Governo, Aung San Suu Kyi.

Kyaw Zaw Lin, Nayi Min e Phyo Wai Win foram levados sob escolta policial, algemados, perante um tribunal de Naypyidaw, diante do qual eram aguardados por numerosos jornalistas, entre os quais o representante da agência France Presse na Birmânia.

“Foram os três levados para a prisão de Insein após a abertura de um caso contra eles no âmbito do artigo 505b”, declarou o seu advogado, Kyee Myint.

Arriscam até dois anos de prisão se forem reconhecidos culpados de terem feito “circular um rumor com o objectivo de alarmar o público”, como previsto no referido artigo, utilizado pela Junta Militar quando estava no poder para censurar qualquer crítica.

Segundo o advogado, a queixa foi apresentada por um alto responsável do governo regional de Naypyidaw, Aung Kyaw Khaing, relativamente a um artigo divulgado no jornal Eleven a 8 de Outubro, que evoca os planos de investimento do chefe da administração de Naypyidaw, Phyo Min Thein, considerado um protegido de Aung San Suu Kyi.

Este importante membro da Liga Nacional para a Democracia de Suu Kyi é criticado nomeadamente por falta de transparência na compra a Pequim de uma frota de autocarros. A AFP indica não ter sido possível obter uma reacção do Governo birmanês.

As detenções ocorrem num contexto de “redução do espaço democrático” no país, como assinalou esta semana a relatora especial da ONU, Yanghee Lee.

Dois jornalistas da Reuters acusados de “violação do segredo de Estado” quando investigavam um massacre de muçulmanos rohingya pelo Exército foram condenados no início de Setembro a sete anos de prisão, um processo que manchou um pouco mais a imagem da prémio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi.

As novas detenções suscitaram inquietação entre os jornalistas do país: “Não se trata apenas da Eleven Media ou da Reuters. Toda a indústria dos ‘media’ está ameaçada”, reagiu Hlaing Thit Zin Wai, do Comité de ProteCção dos Jornalistas. A próxima audiência dos três jornalistas está marcada para o próximo dia 17.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.