Travessia do Delta. Quarenta taxistas (e serviços que tais) vão ligar Macau a Hong Kong

O Governo já escolheu os titulares de licenças de exploração de táxi e de prestação de serviços de transporte que vão poder efectuar a ligação entre Macau e Hong Kong através da nova ponte do Delta. O Executivo recebeu 101 candidaturas, das quais seleccionou 40, de acordo com um comunicado esta sexta-feira divulgado pela DSAT.

O Governo autorizou hoje os titulares de 40 licenças de exploração de carros de aluguer ou de prestação de serviços de transportes a circular na Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, depois de ter recebido mais de uma centena de candidaturas por parte de empresas de prestação de serviços de viagem interessadas em garantir a circulação na Travessia do Delta.

As quarenta quotas atribuídas pelo Governo foram divididas por três grupos, com as autorizações a serem atribuídas por intermédio de um sorteio electrónico: doze das quotas foram atribuídas a veículos ligeiros de transportes de passageiros (táxis), doze outras a empresas comerciais de aluguer de viaturas (os rent-a-car) e as restantes 16 a agências de viagens com licença emitida pelas autoridades do território.

“As quotas em causa destinam-se apenas a empresas exploradoras titulares de licença para transportes terrestres transfronteiriços de passageiros, para que possam fornecer um serviço agendado de transportes de passageiros entre Macau e Hong Kong”, lê-se no comunicado divulgado pela Direção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego (DSAT).

O Governo já tinha atribuído 600 quotas para a circulação de veículos locais entre a cidade e Hong Kong, através da nova ponte que vai ligar os dois territórios e a vizinha cidade continental de Zhuhao. Metade destinam-se a particulares e a outra a entidades comerciais.

Até ao momento, não há data oficial para a inauguração da maior ponte do mundo, um projecto avaliado em 1,9 mil milhões de euros e marcado por vários problemas desde o início da construção, em 2011.

No domingo, o chefe do Executivo admitiu aos jornalistas desconhecer a data de abertura, adiantando apenas que a mesma será divulgada “em tempo oportuno”.

A ponte vai reduzir o tempo de viagem entre Hong Kong e Zhuhai, cidade adjacente a Macau, de três horas para apenas 30 minutos, aumentando a integração das três cidades do Delta do Rio das Pérolas.

A infra-estrutura é considerada vital na construção do projecto chinês “Uma faixa, uma rota”, uma nova rota da seda marítima do século XXI, que pretende redesenhar a economia global.

Além deste projecto, a ambição de Pequim passa ainda por criar uma grande metrópole, a Grande Baía, para intensificar laços em matérias como o comércio de mercadorias e de serviços, facilidades nas alfândegas e comércio eletrónico transfronteiriço.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.