Polícia desmantelou rede de falsificação de baixas médicas

As forças de segurança identificaram cerca de três dezenas de suspeitos no âmbito de uma investigação centrada nas operações de pelo menos sete farmácias e estabelecimentos de venda de produtos naturais. Entre os suspeitos estão funcionários dos estabelecimentos e clínicos de medicina chinesa, que deverão responder perante a justiça pelos crimes de falsificação de documento.

As autoridades do território anunciaram esta tarde que desmantelaram uma rede de falsificação de atestados médicos que envolvia pelo menos sete farmácias e estabelecimentos de venda de produtos homeopáticos.

De acordo com a emissora em língua chinesa da Rádio Macau, o caso envolve três dezenas de residentes locais e profissionais estrangeiros, com idades compreendidas entre os 27 e os 78 anos. Entre os suspeitos estão funcionários das lojas e das farmácias visadas e ainda clínicos de medicina chinesa.

Em Julho, e de acordo com a Ou Mun Tin Toi, as forças de segurança foram alertadas por um relatório produzido por uma companhia de seguros em que a empresa dava conta de casos suspeitos de baixa médica e de práticas fraudulentas no reembolso das despesas médicas contraídas por funcionários de três entidades empresariais não identificadas.

A polícia lançou uma investigação e identificou sete farmácias que integram alegadamente uma rede de falsificação de atestados médicos, recorrendo a vinhetas de profissionais de saúde com os quais estariam conluiados. A troco do atestado, os alegados pacientes contraíam despesas de entre 120 a 170 patacas na aquisição de fármacos e material farmacêutico. No âmbito da investigação, a Polícia Judiciária descobriu ainda vários exemplos de clínicos de medicina chinesa que cobravam entre 30 a 50 patacas para atestados médicos falsos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.