Indonésia. Aumenta para 1424 número de mortos de tsunami em Sulawesi

 

O número de vítimas dos abalos sísmicos e do maremoto que na sexta-feira passada afectaram a província de Sulawesi Central não para de aumentar. O último balanço, hoje operado, dá conta de 1424 vítimas mortais. Mais de noventa pessoas foram detidas depois de terem sido apanhadas a pilhar algumas da zonas devastadas pelo tsunami.

O número de vítimas mortais dos desastres naturais que na sexta-feira passada afectaram a ilha indonésia de Sulawesi aumentou para 1424, anunciou esta quinta-feira o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres.

O terramoto de magnitude 7.5 e o tsunami que se registou posteriormente atingiram a costa da ilha de Sulawesi faz amanhã uma semana. . O último balanço oficial provisório, divulgado na quarta-feira, indicava 1407 mortos confirmados.

Sutopo Purwo Nugroho, porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres Naturais, acrescentou durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira em Jakarta, que “muitas vítimas continuam soterradas” sobretudo na zona da cidade de Palu.

De acordo com a polícia, pelo menos 92 pessoas foram detidas por pilhagens na área central da província de Sulawesi onde se verifica uma grave falta de alimentos.

De acordo com o Gabinete de Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas mais de 200 mil pessoas, entre as quais milhares de crianças, necessitam de ajuda urgente. As estimativas oficiais indicam também que 66 mil residências e edifícios foram destruídos.

Entretanto, o aeroporto de Palu, afetado pelo terramoto de sexta-feira reabriu hoje ao tráfego aéreo militar. Um contingente vai ser enviado para o local onde vai prestar ajuda às vítimas da tragédia.

O tenente-coronel Agus Hariyanto, das Forças Armadas da Indonésia, disse que uma centena de soldados já estão no local e que vão ser enviados mais 200 militares para Palu nas próximas horas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.