Índia. Supremo Tribunal ordena deportação de rohingyas para o Myanmar

Os sete muçulmanos de etnia rohingya encontravam-se na Índia sem documentação desde o ano passado. Esta quinta-feira o Supremo Tribunal indiano rejeitou um pedido formulado pelo advogado de defesa dos refugiados para que possam permanecer no país.

O Supremo Tribunal da Índia ordenou esta quinta-feira a deportação para o Myanmar (antiga Birmânia) de sete muçulmanos rohingya, que se encontravam sem documentação no país desde o ano passado.

O Tribunal rejeitou um pedido do advogado de defesa, Prashant Bhushan, para que os sete rohingyas pudessem viver na Índia, por temerem represálias no Myanmar. As autoridades indianas tencionam entregar, ainda hoje, os sete rohingyas aos guardas de fronteira da antiga Birmânia.

O êxodo dos rohingyas teve início em meados de Agosto de 2017, quando foi lançada uma operação militar do exército birmanês contra o movimento rebelde “Exército de Salvação do Estado Rohingya”, devido a ataques da rebelião a postos militares e policiais.

O Estado do Myanmar não reconhece a minoria e impõe múltiplas restrições aos rohingyas, nomeadamente a liberdade de movimentos. Desde que a nacionalidade birmanesa lhes foi retirada em 1982, os rohingyas têm sido submetidos a muitas restrições: não podem viajar ou casar sem autorização, não têm acesso ao mercado de trabalho, nem a serviços públicos como escolas e hospitais.

A campanha de repressão do exército birmanês contra esta minoria já foi classificada pela Organização das Nações Unidas como uma limpeza étnica e como uma das crises humanitárias mais graves do início do século XXI.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.