“Diplomacia cultural” é aposta para Paulo Cunha Alves

Em Macau desde domingo, o novo Cônsul Geral de Portugal em Macau e Hong Kong esteve hoje reunido com a imprensa e assumiu o desejo de privilegiar a diplomacia cultural, através de uma aposta numa cooperação estreita com entidades como o IPOR ou o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

O novo cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong disse esta quarta-feira que ambiciona desenvolver no território uma forte “diplomacia cultural”, mas também “reforçar a eficácia e eficiência dos serviços consulares”.

Paulo Cunha Alves aposta na “diplomacia cultural” através de uma “estreita cooperação” tanto com o Instituto Português do Oriente (IPOR), como com o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.

Antigo embaixador de Portugal para a Austrália, Nova Zelândia e Estados do Pacífico Sul, Cunha Alves, de 54 anos, falava num encontro com jornalistas no Consulado Geral de Portugal em Macau e Hong Kong.

Outra das prioridades, disse, vai ser o aprofundamento dos laços comerciais e económicos entre Portugal e Macau.

Paulo Cunha Alves substituiu Vítor Sereno, de 47 anos, que estava em Macau desde 2013 e que exerce o cargo de embaixador em Dakar desde Setembro, assegurando a representação diplomática do Governo português no Senegal, Burquina Faso, Costa do Marfim, Gâmbia, Libéria, Mali, Mauritânia, Guiné-Conacri e Serra Leoa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.