A maior ponte do mundo e uma pedra no sapato

A Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau deverá abrir à circulação no final do corrente mês, mas o principal acesso à travessia do lado de Hong Kong dificilmente estará concluído antes do próximo ano. A revelação é feita por uma fonte ouvida pelo jornal South China Morning Post, que diz que o percalço poderá criar “fortes congestionamentos” na zona do Aeroporto Internacional de Hong Kong, onde está situado o acesso alternativo à Ponte.

A maior ponte do mundo, que liga Macau, Hong Kong e Zhuhai, está quase concluída, mas um dos principais acessos só irá abrir ao público em 2019, o que irá criar congestionamentos no acesso à travessia, escreveu esta terça-feira o jornal South China Morning Post.

Os testes à travessia já começaram, mas a inauguração da variante principal de ligação com o porto de Hong Kong será adiada até ao próximo ano, uma situação que, de acordo com fonte ouvida pelo diário da antiga colónia britânica, pode fazer com que a via auxiliar, perto do Aeroporto Internacional da RAEHK, fique “fortemente congestionada”.

“Vamos enfrentar uma situação em que a ponte está aberta, mas a estrada principal para entrar [na travessia] está fechada. O uso da estrada auxiliar, que é estreita, (…) afectará gravemente o fluxo de tráfego da ponte e a eficiência dos veículos comerciais”, advertiu a mesma fonte.

O Governo do território afirmou recentemente desconhecer a data de abertura, mas os ‘media’ de Hong Kong já anunciaram a abertura da ponte à circulação para o final do mês de Outubro.

Até ao momento, não há data oficial para a abertura da maior ponte do mundo, um projecto avaliado em 1,9 mil milhões de euros, mas afectado por vários problemas desde o início da sua construção, em 2011.

Na segunda-feira, o chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, admitiu em declarações à imprensa desconhecer a data de abertura, adiantando apenas que a mesma será divulgada “em tempo oportuno”.

“Depois de ver as notícias é que tomo conhecimento”, quando “houver novidades vamos divulgar em tempo oportuno”, disse Fernando Chui Sai On, à margem da cerimónia do 69.º aniversário da implantação da República Popular da China, que juntou mais de 750 pessoas na Torre de Macau.

A ponte vai reduzir o tempo de viagem entre Hong Kong e Zhuhai, cidade adjacente a Macau, de três horas para apenas 30 minutos, reforçando os pressupostos de integração das três cidades do Delta do Rio das Pérolas.

A construção começou em 2011 e a ponte estava originalmente programada para abrir em 2016, mas o projecto foi assolado por vários problemas, como acidentes de trabalho, uma investigação de corrupção, obstáculos técnicos e derrapagens orçamentais, de acordo com o South China Morning Post.

Em Dezembro do ano passado, o secretário para os Transportes e Obras Públicas de Macau, lembrou que a ponte “não é uma obra (apenas) de Macau”: “A ponte tem um gabinete constituído pelas três partes, República Popular da China, Hong Kong e Macau. Não é Macau que manda na ponte”, afirmou Raimundo do Rosário, acrescentando que “toda a utilização, construção, operação e manutenção relacionada com a ponte tem a ver com as três partes”, ao abrigo de um acordo tripartido.

A infra-estrutura é também considerada vital na construção do projecto chinês “Uma faixa, uma rota”, uma nova rota da seda marítima do século XXI, que pretende redesenhar a economia global.

Para além deste projecto, a ambição de Pequim passa ainda por criar uma grande metrópole, a Grande Baía, para intensificar laços em matérias como o comércio de mercadorias e de serviços, facilidades nas alfândegas e comércio electrónico transfronteiriço.

A Grande Baía abrange, além de Hong Kong e Macau, nove localidades na China: Cantão, Shenzhen, Zhuhai, Foshan, Huizhou, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen e Zhaoqing. Conta com mais de 110 milhões de habitantes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.