Tsunami. Mais de 300 mortos e meio milhar de feridos graves em Sulawesi

O balanço é o mais recente, mas o número de vítimas da tragédia que ontem se abateu sobre o centro da Indonésia deverá ser bem maior. As autoridades de Jakarta temem que haja ainda centenas de pessoas entre os escombros na sequência dos sismos e do maremoto que varreu a costa oeste de Sulawesi.

O violento sismo seguido de tsunami que ontem abalou a ilha de Sulawesi, na Indonésia, fez quase 400 mortos, de acordo com o mais recente balanço divulgado pelas autoridades do arquipélago. Para além das vítimas mortais, há ainda a registar mais de meio milhar de feridos em estado grave, situação que deixou os hospitais da região afectada pelo maremoto à beira da ruptura.

“De acordo com as informações de que dispomos, 348 pessoas morreram”, indicou este sábado Sutowo Purwo Nugroho, porta-voz da Agência Indonésia de Gestão de Catástrofes Naturais, socorrendo-se dos números avançados pelos hospitais de Palu e de Donggala, as duas localidades mais afectadas pelo abalo e pelo tsunami que se seguiu.

 

O número de feridos graves subiu para os 540, complementou o responsável, ao mesmo tempo que apelou à organização de grupos de voluntários e à cedência de veículos especializados com o propósito de facilitar as operações de socorro.

Imagens obtidas na cidade de Palu, na costa oeste de Sulawesi, mostram corpos estendidos ao longo da costa, alguns dos quais cobertos por lençois azuis. O mesmo vídeo mostra a carroceria de vários veículos que ficaram completamente destruídos pela violência da vaga que se abateu sobre a costa.

As autoridades tememe pela sorte de várias centenas de pessoas que trabalhavam na organização de um festival religioso numa das praias de Palu momentos antes do maremoto ter varrido a costa.

Sem capacidade para tratar todas as vítimas, os hospitais da região improvisaram o tratamento a feridos de menor gravidade no exterior das instalações hospitalares, mas nas ruas de Palu o cenário de devastação é indisfarçavel. A força do mar destruiu por completo o maior centro comercial da cidade e os hotéis situados nas imediações tiveram a mesma sorte.

O número de vítimas mortais deve, de resto, crescer nas próximas horas, tal é a escala da devastação: “A nossa perspectiva é que dezenas ou mesmo centenas de vítimas ainda não foram retiradas de entre os escombros. O principal centro comercial de Palu desmoronou-se e o hotel Rua-Rua está reduzido a escombros. Tinha 80 quartos dos quais 76 estavam ocupados”, revelou Sutowo Purwo Nugroho, em declarações citadas pela agência France Press.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.