Sulawesi. União Europeia activou Copernicus para ajudar autoridades indonésias

Bruxelas disponibilizou apoio às autoridades indonésias na sequência dos terremotos e do tsunami que sacudiram a região oeste da ilha de Sulawesi. A União Europeia activou o seu sistema de mapas por satélite para facultar apoio às equipas de resgate e salvamento que se encontram no terreno. Até ao momento estão contabilizadas 405 vítimas mortais, mas os feridos são mais de meio milhar.

A União Europeia (UE) activou o seu sistema de mapas por satélite através do programa Copernicus, para apoiar as autoridades indonésias nos esforços de resgate e salvamento, na sequência do terremoto e do tsunami que varreu ontem a costa oeste da ilha de Sulawesi, numa altura em que já estão contabilizados 405 mortos.

“A União Europeia apoia o povo e as autoridades indonésias nestes tempos difíceis, e oferecemos o nosso total apoio”, afirmaram, em comunicado conjunto, a alta representante da União Europeia para a política externa, Federica Mogherini, e o comissário para a ajuda humanitária e direitos humanos, Christos Stylianides.

Os responsáveis indicaram que Bruxelas já activou o seu serviço de mapas de satélite Copernicus, para ajudar as autoridades indonésias: “Estamos a acompanhar a situação de perto e estamos prontos para mobilizar mais assistência”, destacaram, expressando as suas condolências pelas vítimas e afectados.

As autoridades na Indonésia elevaram este sábado para 405 o número de mortos na sequência dos terremotos e do tsunami que atingiu a ilha de Sulawesi na sexta-feira, o que também causou uma extensa destruição. Há ainda 540 feridos e 29 desaparecidos, de acordo com dados provisórios este sábado avançados pelas autoridades indonésias.

A maioria das vítimas mortais foram registadas em Palu, cidade com cerca de 350.000 habitantes, capital da província de Sulawesi Central, indicou Sutopo Purwo Nugroho, porta-voz da agência de catástrofes, que pediu este sábado, em conferência de imprensa em Jakarta, “pessoal, voluntários e equipamento específico” para ajudar nas operações de socorro e limpeza.

Os hospitais de Palu que mais mortes reportaram à agência situam-se em Bhayangkara (161) e em Undata Mamboro Palu (141). A catástrofe deixou mais de mil edifícios destruídos ou danificados e a missão mais importante agora é restabelecer o abastecimento de electricidade e as redes de comunicações.

Técnicos de telecomunicações e transporte aéreo, que chegaram esta manhã ao aeroporto de Palu, já estão a trabalhar na reparação de algumas instalações eléctricas danificadas.O aeroporto de Palu, que opera voos nacionais, continua encerrado desde sexta-feira, após danos causados pelo sismo, que também afectou pontes, hospitais e portos. Estão a funcionar os aeroportos de Poso, Toli-Toli, Luwuk Bangai e Mamuju, todos na mesma região.

As autoridades confirmaram a formação do tsunami depois de vários vídeos locais mostrarem nas redes sociais como Palu, situada numa estreita baía, era atingida com força pelas ondas. A agência de geofísica emitiu um alerta de tsunami após o terramoto de magnitude 7,5 registado ao final da tarde de sexta-feira para advertir para ondas entre meio metro e um máximo de três metros na zona de Palu.

Segundo os vídeos gravados por particulares, a tromba de água que entrou na praia de Talise, em Paulu, arrastou estruturas e veículos da costa e chegou a uma mesquita já afectada pelo terramoto, por entre os gritos dos residentes.

O terramoto de 7,5 na escala de Richter foi precedido, três horas antes, por outro de 6,1, que provocou a morte a uma pessoa e ferimentos em 10, além do desabamento de várias casas.

A Indonésia assenta sobre o chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma zona de grande actividade sísmica e vulcânica onde em cada ano se registam cerca de 7.000 terramotos, a maioria moderados.

Entre 29 de Junho e 19 de Agosto, pelo menos 557 pessoas morreram e quase 400.000 ficaram desalojadas devido a quatro terramotos de magnitudes compreendidas entre 6,3 e 6,9, que sacudiram a ilha indonésia de Lombok.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.