A passo de caracol. Residentes criticam “progresso lento” do processo de renovação urbana

As conclusões fazem parte do relatório sobre a consulta pública relativa ao regime jurídico do alojamento temporário. Os participantes que tomaram parte no processo consideram ainda urgente a criação de um regime jurídico sobre a matéria, foi esta tarde revelado.

A maioria dos residentes que participaram na consulta pública sobre o regime jurídico do alojamento temporário criticou o “progresso muito lento” da renovação urbana no território, apontando como urgente a criação de um regime jurídico principal sobre esta matéria, foi esta sexta-feira revelado.

A conclusão é da Direção dos Serviços de Estudo de Políticas e Desenvolvimento Regional, que operou esta sexta-feira o balanço da consulta pública sobre o regime jurídico de “habitação para alojamento temporário e de habitação para troca”, no âmbito do processo de renovação urbana que o Governo quer impulsionar em algumas zonas de Macau.

Milhares de compradores do ‘Pearl Horizon’, empreendimento que nunca chegou a ser construído, mostraram-se, no entanto, favoráveis às “disposições especiais” previstas pelo Governo no regime de habitações para troca.

De acordo com Lao Pun Lap, assessor do Gabinete do Chefe do Executivo, mais de metade das 11.642 opiniões recolhidas no âmbito da consulta pública foi dada por compradores daquele empreendimento, “um número significativo que deve ser levado em conta”.

O empreendimento ‘Pearl Horizon’ não foi construído no prazo dado ao promotor e deixou milhares de lesados, que há anos esperam uma resposta do Executivo. O lote do empreendimento ‘Pearl Horizon’ fica situado na Areia Preta e tem 68 mil metros quadrados. Além de habitação, o Governo pretende utilizar o espaço para construir vários equipamentos sociais.

Em Maio, o Governo já tinha anunciado que ia propor aos proprietários, que compraram casa em planta, a aquisição de habitação ao abrigo do Plano de Alojamento Provisório, após consulta pública, cujos resultados foram agora apresentados.

À data, a secretária para a Administração e Justiça, Sónia Chan, lembrou o principal objetivo do plano: “Servir de alojamento temporário durante a renovação urbana e o despejo de algumas zonas”, mas também resolver o caso ‘Pearl Horizon’.

A escassez de terrenos constitui um dos principais problemas de Macau, um território com aproximadamente 30 quilómetros quadrados e mais de 650 mil habitantes.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.