World Press Photo de armas e bagagens na Casa Garden

Fotografia: Ronaldo Schmidt

A edição de 2018 da exposição que reúne alguns dos melhores registos de fotojornalismo do mundo foi esta quinta-feira inaugurada na Casa Garden. A iniciativa reúne mais de uma centena e meia de fotografias obtidas por 42 fotógrafos de 22 países e regiões e vai permanecer patente ao público até 21 de Outubro.

Mais de 160 fotografias que integram a edição de 2018 da World Press Photo estão a partir de hoje patentes no território, numa exposição que merece chegar a uma “audiência global”, defendeu o curador.

“Estas fotografias formam uma história global, por isso, na minha opinião, merecem também uma audiência global”, disse aos jornalistas o curador Jerzy Brinkhof, questionado sobre a importância de trazer a exposição a este canto do mundo.

As 161 fotografias expostas na Casa Garden foram captadas por 42 fotógrafos provenientes de 22 países. Até Macau, onde “nenhuma imagem foi censurada”, garante, a exposição já tinha viajado por mais de 110 cidades.

Este ano, a competição que distingue as melhores fotografias de profissionais de todo o mundo traz uma novidade: a categoria ambiente, que se junta aos conflitos, temas contemporâneos, entre outras.

“O aquecimento global é uma das questões mais prementes do nosso tempo e percebemos que muitos fotógrafos estavam interessados em documentar esta questão”, justificou.

Integrado neste tópico, há um espaço dedicado exclusivamente à produção de alimentos na China, “que luta contra o aumento explosivo populacional” e, consequentemente, com a “dificuldade em alimentar tanta gente”.

A imagem de um homem a arder, durante confrontos com a polícia em Caracas, ocupa um dos lugares de destaque na exposição: “A Crise na Venezuela”, do fotógrafo Ronaldo Schemidt “não mostra apenas um homem a arder, mostra todo um país a arder”, realça. Foi eleita a fotografia do ano.

Para levar esta e muitas outras fotografias aos mais variados países, a World Press Photo precisa sempre de parcerias e na maioria das vezes são os “parceiros locais que contactam a organização”, explicou o curador.

Este ano, sem parceiros na vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, a exposição em Macau conta receber mais visitantes, disse à Lusa a coordenadora da Casa de Portugal, Diana Soeiro: “Esperamos receber 5.000 visitantes, incluindo muitos de Hong Kong”, disse, acrescentando que o dia nacional da República Popular da China, na segunda-feira, como feriado nacional, pode também atrair mais pessoas à Casa Garden, um “local muito convidativo”.

À semelhança de Jerzy Brinkhof, Diana Soeiro acredita que em Macau há uma “audiência global”, por isso, embora a associação se dedique a promover essencialmente eventos para os portugueses no território, com este em particular “pretende chegar a toda a gente”.

A Casa de Portugal investiu 200 mil patacas – mais de 20.000 euros – para concretizar a iniciativa, que aterrou esta quinta-feira em Macau pela 11.º ano consecutivo e se prolonga até 21 de Outubro.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.