Sermonear contra o vento

Fotografia: Semanário Plataforma

Sérgio de Almeida Correia é um homem de uma coragem rara em Macau. Quem acompanha as suas tomadas de posição públicas ou o que escreve na blogosfera – nos blogues Visto de Macau e Delito de Opinião – não pode senão sentir-se humilde perante o desassombro das suas palavras, tocado pela verticalidade com que se assume como cidadão e grato pelo seu apurado sentido de justiça.

Dizer que Sérgio de Almeida Correia “incomoda muita gente” é cair na ratoeira de um chavão amplamente redutor e que em nada faz jus à extraordinária relevância das suas convicções. A rectitude dos seus pontos-de-vista – que não sendo amorais também não são moralizantes – contrasta fortemente com o acrítico paul em que vive mergulhada a comunidade portuguesa, ora por conveniência, ora por receio ou por indiferença.

Confortável no seu vetusto estatuto de relíquia colonial, orgulhosa da sua nova condição de interlocutora preferencial do diálogo entre a China e os Países de Língua Portuguesa, a comunidade acomodou-se, persignou-se e à medida que os anos foram passando desapareceu do debate político, alheando-se do futuro de uma terra a que está umbilicalmente ligada e que ajudou a construir ao longo de quase quinhentos anos.

Num território em que a descriminação é conformada por lei, em que a independência do poder judicial se prefigura cada vez mais ténue, em que o poder legislativo é refém de conivências e de conveniências e em que a vitalidade do enfrequecido “segundo sistema” se assemelha à de um prisioneiro com pulseira electrónica, o alheamento a que a comunidade se votou por mote próprio não só deslustra os valores de que muitas vezes se diz arauta, como também prenuncia o fim da própria presença portuguesa em Macau.

O fortalecimento dos mecanismos de integração regional, afigura-se agora evidente, não se processará sem rupturas consideráveis no modo de vida da população do território: os desafios colocam-se a nível social, mas também estrutural, com o ordenamento jurídico e o sistema judicial a serem muito provavelmente as instâncias passíveis de sofrer uma maior – e mais determinante – erosão.

Se se negligenciarem os resquícios da língua que vão sobejando pelas esquinas da cidade, o ordenamento jurídico continua a ser o domínio onde a portugalidade (e os valores a ela associados) é mais evidente em Macau. Dadas as sombras que sobre ele pairam, não deixa de ser estranha – constrangedora até – a passividade com que a Associação dos Advogados de Macau (AAM) assiste ao desmoronamento da realidade – jurídica, mas também social – que a legitima. Longe de se poder arrogar o estatuto de mera observadora, a AAM é das últimas entidades onde a comunidade portuguesa – no caso, a influente comunidade jurídica – pode ter uma palavra a dizer no que toca ao futuro da RAEM. Isto, se não optar por continuar votada ao silêncio.

O anúncio, feito esta sexta-feira por Sérgio de Almeida Correia, de que é candidato à presidência da Associação constitui efectivamente uma pedrada no charco, mas o advogado tem pela frente um esforço titânico para assegurar que o impacto da pedra se torna um tsunami. Primeiro, porque não é de todo um dado adquirido que a endinheirada comunidade jurídica de Macau esteja interessada na mudança. Segundo, porque sendo a coragem – sobretudo a das convicções – mercancia rara em Macau nada nos garante, prezado leitor, que Almeida Correia não esteja condenado a sermonear contra o vento.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.