Metro. Comissariado de Auditoria arrasa gestão e fiscalização da empreitada

O Governo já gastou mais de 14 mil milhões de patacas na construção do sistema de metro ligeiro, mas o obra não vai ainda sequer a metade. O organismo estima que o Executivo tenha que desembolsar 51 mil milhões de patacas para concluir a obra, mas não há ainda qualquer data postulada para a conclusão da estrutura.

Uma auditoria à construção do metro ligeiro concluiu que as autoridades de Macau já adjudicaram trabalhos no valor de 14 mil milhões de patacas, mas que apenas menos de metade das linhas inicialmente previstas estão concluídas.

No relatório, divulgado na quinta-feira, sublinha-se que inicialmente estava prevista a construção de 21 estações, que a primeira fase teria 21 quilómetros de extensão e que o metro entraria em funcionamento em 2014, mas que apenas a linha da Taipa deverá ser inaugurada em 2019: “As sucessivas falhas, atrasos, incumprimentos da lei, não aplicação de multas e desconsideração das boas práticas internacionais relativas à gestão e fiscalização das empreitadas de obras públicas de grande escala levaram aos atrasos sucessivos das obras”, fazendo com que tanto a estimativa do custo, como o prazo de conclusão (…) se desviassem substancialmente”, pode ler-se no relatório.

A única linha pronta é a da Taipa, com uma extensão de 9,3 quilómetros, que corresponde a 44,28 por cento do inicialmente previsto, enquanto “na linha de Macau foram somente iniciadas obras preliminares na estação da Barra”, de acordo com o mesmo documento o mesmo documento.

No relatório ainda se destaca que apenas cinco dos 11 traçados previstos para o curto prazo estarão concluídos, na melhor das hipóteses, em 2026, não existindo data definida para os restantes.

Em Julho, o orçamento do metro de superfície de Macau, obra pública idealizada há mais de uma década, foi revisto em alta para 16 mil milhões de patacas, um valor que deve ainda aumentar, disseram então as autoridades.

Os números avançados em Junho de 2016 pelo secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, apontavam para um orçamento de 11 mil milhões de patacas para o segmento da ilha da Taipa, cujo início de funcionamento chegou a estar previsto para 2017.

O novo valor foi acordado numa reunião entre o Gabinete de Infraestruturas de Transportes e a Comissão de Acompanhamento para os Assuntos de Finanças Públicas.

O projecto do metro de superfície sem condutor divide-se entre a linha da Taipa e a da península de Macau.

O metro constitui uma das principais empreitadas públicas desde a transferência do exercício de soberania de Portugal para a China, em 1999, sendo descrito no Plano Geral de Desenvolvimento da Indústria do Turismo de Macau como a “espinha dorsal” para melhorar o trânsito no território.

Macau, com uma área de aproximadamente 30 quilómetros quadrados, tem uma população estimada em pouco mais de 648 mil habitantes, o que faz com que esteja no topo das regiões com maior densidade populacional do mundo. Anualmente, o território recebe mais de 30 milhões de visitantes.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.