Branqueamento. A diferença que um traço faz

Uma residente do território, de 51 anos, terá ajudado um irmão a branquear cerca de dois milhões de patacas, sonegados pelo suspeito à empresa para a qual trabalhava. Na base da marosca um engenhoso esquema em que o suspeito tira partido das singularidades da escrita chinesa.

Uma mulher foi detida por suspeitas de envolvimento num esquema de lavagem de dinheiro que terá resultado no branqueamento de mais de dois milhões de renminbi, noticiou a emissora em língua chinesa da Rádio Macau.

A suspeita terá adquirido nove propriedades imobiliárias na República Popular da China com dinheiro que terá sido branqueado por um irmão. De acordo com a Polícia Judicíaria, o homem transferiu a quantia em questão, relativa a pagamentos feitos à empresa para a qual trabalhava, para a conta de uma empresa que criou com o propósito de defraudar a entidade empregadora. O suspeito alterava os cheque que recebeu de vários clientes, num procedimento explicado por um porta-voz da polícia de investigação do território: “A diferença entre o nome da empresa constituída pelo suspeito e o nome da empresa de transportes para a qual trabalhava era de apenas um traço em chinês. Com um único traço, o homem transferiu o dinheiro para a conta bancária da sua própria empresa”, explicou Ho Chun Nam.

O suspeito está a cumprir pena de prisão, depois de em 2014 ter sido apanhado pela polícia na República Popular da China.

Durante o processo de investigação, a Judiciária encontrou registos de uma transferência, no valor de 150 mil patacas, da conta da empresa fictícia que criou para uma conta bancária da irmã. As autoridades acabaram por descobrir várias outras transacções suspeitas, no valor total de dois milhões de patacas, entre contas que pertenciam a ambos os suspeitos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.