As Astúrias já têm o seu “Ecce Homo”

Cores aberrantes, eyeliner nos olhos. Uma intervenção amadora numa imagem religiosa datada do século XV deixou a Virgem Maria a parecer uma personagem de uma série de animação. O desastroso restauro fez soar os alarmes em Espanha, com a Associação Espanhola de Preservação do Património Artístico a insurgir-se contra a ligeireza com que se repetem episódios da índole.

Uma zelosa paroquiana espanhola pintou com cores aberrantes uma imagem da Virgem Maria em madeira datada do século XV, num restauro amador que chegou às primeiras páginas dos jornais espanhóis.

A estátua em questão, que se encontra numa capela de El Ranadoiro – uma localidade da região das Astúrias com apenas 28 habitantes – apresenta desde a intervenção um véu rosa vivo e um robe azul celeste, ao passo que os olhos parecem estar acentuados com eyeliner, expediente a que a autora do restauro recorreu para salientar a expressão piedosa da Virgem.

No encalço do restauro fantasista, o Menino Jesus apresenta uma vestimento verde fluorescente, ao passo que uma imagem de São Pedro, que faz parte do mesmo altar, foi pintado com um ténue tom vermelho sangue.

O episódio lembra o polémico restauro do “Ecce Homo” de Borja, conduzido por uma octogenária em 2012 e que transformou um fresco de Cristo numa inenarrável caricatura artística.

“É absurdo”, disse à agência France Press Luis Suarez Saro, técnico de restaura que conduziu em 2002-2003 a última intervenção nas imagens sagradas da capela de El Ranadoiro com a autorização do governo asturiano.

A mulher responsável pela nova imagem das estátuas, Maria Luisa Menendez, recebeu autorização da paróquia para dar uma demão de pintura nas efígies, indicou o jornal local “El Comercio”.

“Não sou profissional, mas sempre gostei de pintar. E a verdade é que as estátuas precisavam de ser pintadas. Foi por isso que as pintei o melhor que pude, com as cores que me pareceram mais aconselhadas. Os moradores de El Ranadoiro gostaram muito do resultado”, assegurou Maria Luisa em declarações ao jornal.

Em declarações à agência AFP, Suarez Saro explicou que a autora do restaura “gosta de desenhar e de pintar” e que tinha tido “algumas aulas de pintura”: “Ela ficou convicta que as esculturas ficaram melhor do que o que estavam”, adiantou o técnico de restauro.

As imagens das estátuas restauradas chegaram às redes sociais e tornaram-se um motivo de chacota, levando a Associação Espanhola de Preservação do Património Artístico a soar os alarmes: “Mas será que ninguém se incomoda com esta pilhagem permanente do nosso país? Que tipo de sociedade é esta que permite que a herança dos seus antepassados seja destruída mesmo debaixo dos seus olhos?”, questionou a associação no Twitter.

Em Junho um outro caso da índole fez manchetes nos jornais, quando o restauro de uma imagem de São Jorge numa igreja de Navarra, datada do século XVI, deixou o santo a parecer um personagem saído do universo da banda desenhada.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.