China. Proposta para multar casais com poucos filhos gera polémica

Dois académicos da Universidade de Nanquim querem que os agregados familiares com poucos filhos paguem para um suposto “fundo de maternidade” até que tenham dois ou mais filhos. A proposta está a suscitar grande contestação no Continente.

A República Popular da China, país que durante décadas submeteu milhões de pessoas a políticas de controlo de natalidade que restringiam o número de filhos que os casais poderiam ter, procura agora, através de métodos opostos, incentivar os conjugês a ter mais filhos, com uma polémica proposta divulgada esta semana no país e que é passível de multa.
O hipotético plano foi publicado em 14 de Agosto no jornal oficial da província de Jiangsu, no leste da República Popular da China, tem como autores dois economistas da Universidade de Nanquim (Liu Zhibiao e Zhang Ye) e gerou uma onda de críticas nas redes sociais chinesas.
A ideia de Zhang e Liu pressupõe, por um lado, abolir o actual sistema que permite os casais chineses ter dois filhos – algo que pedem várias forças no país e que poderia acontecer ainda este ano ou em 2019 – mas suscita controvérsias perante o chamado “fundo de maternidade”, que seria imposto a todas as pessoas menores de 40 anos.
De acordo com o plano, este grupo deveria fornecer uma percentagem do seu salário periodicamente enquanto não tivessem filhos ou somente um, embora uma vez que concebessem o segundo, poderiam retirar esse fundo. Se tal não ocorrer, os contribuintes recebem o dinheiro assim que se reforme.
O plano circulou amplamente no Continente, onde o Governo e especialistas buscam formas para aumentar a natalidade para evitar o envelhecimento progressivo da população, que vai acarretar falta de mão de obra e problemas no sistema de segurança social. Foram muitos os que criticaram abertamente a proposta: “Não nos tratam como humanos e nem como mulheres, mas como recursos de fertilidade”, opinou a escritora feminista Hou Hongbin.
“A reprodução deveria ser um direito do cidadão, não uma obrigação”, afirmou outro cidadão chinês nas redes sociais.
Alguns dos comentários abordam a forte coerção que o Estado chinês quer exercer sobre a demografia, tanto agora como nos tempos da “política do filho único”: “Não há muito tempo, se ocorresse uma segunda gravidez, seria preciso abortar. Agora é preciso pagar por um segundo filho que nem sequer tenho”, denunciou outro usuário na rede Weibo.
A proposta também recebeu críticas de meios de comunicação oficiais como a televisão estatal “CCTV”, que a chamou de “irracional” e salientou a “falta de bom senso” e do jornal “Global Times”, ligado ao Partido Comunista.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.