Pequim teme “fuga de cérebros” no Ministério do Comércio

No mês passado, um memorando interno aconselhava os responsáveis pelo Ministério do Comércio a fazer tudo ao seu alcance para travar um eventual “êxodo” de quadros qualificados. Em causa, está o braço de ferro comercial que a República Popular da China mantém com os Estados Unidos da América.

O Partido Comunista Chinês (PCC) pediu ao Ministério do Comércio que trave o “êxodo” de quadros, face à guerra comercial desencadeada entre Pequim e Washington, informou esta quarta-feira o jornal de Hong Kong South China Morning Post (SCMP).
O órgão de inspecção e disciplina do Partido Comunista emitiu aquela ordem no mês passado, numa altura em que se agravavam as tensões omerciais com os Estados Unidos.
Citado pelo South China Morning Post, um funcionário aposentado do Ministério afirma que a falta de profissionais experientes, sobretudo em negociações em matéria de comércio e gestão macroeconómica, poderiam afectar a qualidade do aconselhamento aos responsáveis por tomar decisões na guerra comercial.
“O Ministério do Comércio oferece aconselhamento político e recomendações. Esse aconselhamento deve ser preciso e valioso. Mas faltam agora pessoas com conhecimento”, afirmou.
Os dois governos estão a preparar uma nova ronda de taxas alfandegárias sobre 13,7 mil milhões de euros das exportações de cada lado, a partir de 23 de Agosto, numa disputa motivada pela política de Pequim para a tecnologia.
Washington acusa a China de “tácticas predatórias”, que visam o desenvolvimento do seu sector tecnológico, nomeadamente forçar a transferência de tecnologia em troca de acesso ao mercado.
No mês passado, Washington impôs taxas alfandegárias de 25 por cento sobre mais de 29 mil milhões de euros de importações oriundas da República Popular da China. Pequim retaliou com penalizações no mesmo valor sobre bens dos Estados Unidos da América.
Num comunicado publicado em Julho passado, inspectores da Comissão de Inspecção e Disciplina do PCC consideram que a fuga de cérebros no Ministério é “elevada”.
O órgão aconselha o Ministério a “estabelecer equipas com profissionais de elevada qualidade, reforçar a gestão de quadros enviados além-fronteiras, e analisar seriamente e responder ao problema da fuga de cérebros”.
Dados citados pela imprensa estatal chinesa revelam que 152 funcionários se demitiram do Ministério, entre 2008 e 2017, a maioria entre 2014 e 2016, período de maior intensidade na campanha anticorrupção lançada pelo Partido Comunista da China.
Alguns dos funcionários que se demitiram assumiram posições superiores em empresas do ramo tecnológico ou da Internet, como o Jingdong ou o Alibaba, escreve o SCMP.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.