Eslováquia. Ária de Plácido Domingo no centro de longo feudo entre vizinhos

O Ministério Público eslovaco decretou a medida de coacção de prisão preventiva para uma mulher que mantinha um conflito com os vizinhos por ouvir, de forma incessante, a mesma área de uma conhecida ópera no volume máximo. O feudo durava há 16 anos consecutivos.

Uma mulher da cidade eslovaca de Sturovo, no sul do país, foi detida por ouvir durante 16 anos, no volume máximo e das 6 às 22 horas, uma ária interpretada pelo tenor espanhol Plácido Domingo, informou a imprensa local.
“A proprietária da casa não respeitou nem sequer uma sentença definitiva do Supremo Tribunal que a proibia de colocar essa música”, revelou a emissora privada TV Markyza.
A detida e vários vizinhos estavam há anos envolvidos num longo processo judicial, que ditou que a mulher estava proibida de voltar a colocar a música em alto som porque causava incómodo. A mulher acabou detida por não respeitar a decisão judicial.
Os acordes de um fragmento de quatro minutos de La Traviata, de Giuseppe Verdi, que a mulher colocava de forma repetida na sua aparelhagem, eram acompanhados por assobios por parte de alguns vizinhos, fazendo o nível do barulho ficar “insuportável” na zona, afirmou uma outra emissora de rádio.
O instrutor do caso, que viu indícios de perigo nas ameaças feitas pela mulher após a detenção na segunda-feira, solicitou prisão preventiva.
Aparentemente, a detida protestava com a sua música pelos latidos contínuos do cão de um vizinho, embora a disputa tenha prosseguido mesmo depois da morte do animal: “Todos sofrem. Não há nem um momento de paz, desde a manhã até às dez de noite. Todos os moradores sofrem”, relata um morador ao meio húngaro Index. “Eu adoro Plácido Domingo, mas não desta forma”, disse outra moradora da localidade.
“Por mim traria os responsáveis pelas leis e obrigava-os a ficar sentados à frente dessa casa. Há dez anos que dizem que está bom assim, tudo bem, mas acho que se fartavam com o espectáculo em duas horas”, comentou outro residente.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.