Tailândia. Monge budista condenado a 114 anos de prisão

Wiraphon Sukphon foi considerado culpado de fraude e de lavagem de dinheiro. O estilo de vida do monge, de 39 anos, contrariava o despojamento exigido aos monges. Apesar de ter sido condenado a 114 anos de prisão, Wiraphon não deverá cumprir mais do que vinte anos, ao abrigo da lei tailandesa.

Um tribunal da Tailândia condenou um monge tailandês, extraditado dos Estados Unidos da América há um ano, a 114 anos de prisão por fraude e lavagem de dinheiro.

Wiraphon Sukphon foi condenado, entre outros crimes, por lavagem de dinheiro e fraude, disse fonte judicial à agência de notícias France-Presse. De acordo com a lei tailandesa, no entanto, não haverá mais de 20 anos de detenção, esclareceu a mesma fonte.

O estilo de vida de Wiraphon Sukphon contrariava o despojamento exigido aos monges: a polícia apreendeu bens no valor de um total de 24 milhões de bahts (623 mil euros), três carros, incluindo um Porsche e um Mercedes-Benz, e uma moto Harley-Davidson.

O monge, de 39 anos, mais conhecido como Luang Pu Nen Kham, também foi condenado a devolver cerca de 743 mil euros a 29 pessoas que tinham feito doações.

Sukphon foi preso em Julho de 2017, após a sua extradição dos Estados Unidos da América, para onde fugiu em 2013, quando teve início a investigação na Tailândia.

O monge também é acusado de violação de um menor, um veredicto que deverá ser conhecido em Outubro.

Cerca de 95 por cento dos tailandeses são budistas praticantes, uma das taxas mais altas do mundo. O país tem cerca de 300 mil monges.

Nos últimos anos, os budistas têm sido protagonistas de notícias em casos relacionados com o consumo de drogas, jogo, corrupção e prostituição.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.