Governo quer garantir competitividade das empresas do jogo

Chui Sai On esteve esta quinta-feira na Assembleia Legislativa para responder às perguntas dos deputados e defendeu que o Governo deve procurar garantir a competitividade das concessionárias de jogo aquando da renovação das licenças. O Executivo, adiantou o líder do Governo, tenciona introduzir “indicadores de responsabilidade” com o propósito de avaliar a performance das empresas do sector.

O chefe do Executivo, Fernando Chui Sai On, defendeu esta quinta-feira a necessidade de garantir a competitividade das empresas concessionárias do jogo para sustentar o desenvolvimento do território a longo prazo.
É “necessário assegurar a competitividade [das concessionárias] para sustentar o desenvolvimento a longo prazo” de Macau e da sua construção como centro internacional de turismo e lazer, afirmou, durante a reunião plenária da Assembleia Legislativa que se realizou durante a tarde de ontem.
Chui Sain On, que respondia a perguntas de deputados, disse que o Governo pretende introduzir “indicadores de responsabilidade” para as empresas do sector do jogo, cuja contribuição é fundamental para a construção de Macau como centro internacional de turismo e lazer.
Estes indicadores da responsabilidade das concessionárias em relação ao emprego local de residentes, educação e trânsito, entre outros, merecem estudos “mais aprofundados”, mas podem “ser reflectidos nos próximos contratos”, afirmou, numa referência ao fim dos contratos das concessionárias.
As licenças de jogo terminam entre 2020 e 2022. Até à data não é conhecido um calendário para a revisão das licenças, nem é claro se será mantido o modelo de concessões e subconcessões.
“Esta indústria vai manter-se por um período muito longo e o seu peso em relação a outros sectores vai continuar a ser predominante” na economia de Macau, afirmou o Chefe do Executivo, que sublinhou, noutro momento do debate, a necessidade de as concessionárias desenvolverem mais elementos não-jogo.

Chui e os milhões da Viva que voaram

Sobre o caso da transportadora aérea Viva Macau, que faliu em 2010, Chui Sai On afirmou que já se procedeu a uma revisão dos “mecanismos existentes” de regulação da utilização das finanças públicas por diferentes fundos.
No final de Julho, o secretário para a Economia e Finanças, Lionel Leong, reencaminhou para o Comissariado Contra a Corrupção (CCAC) a concessão de um empréstimo de 212 milhões de patacas (cerca de 22 milhões de euros) pelo Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização (FDIC) à Viva Macau, devido às dificuldades financeiras alegadas pela companhia.
O Chefe do Executivo participa duas vezes por ano em reuniões da Assembleia Legislativa para responder a perguntas dos deputados, além de comparecer no final de cada ano para a apresentação das Linhas de Acção Governativa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.