Galgos. A terra prometida está no coração do Alentejo

Fotografia: South China Morning Post

Os mais de meio milhar de galgos que ainda se encontram ao cuidado da Yat Yuen poderão mesmo rumar ao Alentejo, caso a proposta de alojar os animais no Pac On não seja viável. A possibilidade foi esta quinta-feira reiterada por Albano Martins, presidente da Anima, à margem de uma visita da comunicação social ao Canídromo.

O presidente da Anima – Sociedade Protectora dos Animais de Macau admitiu esta quinta-feira a hipótese de ser construído um centro internacional de realojamento de galgos, único no mundo, em Borba, no distrito de Évora. A estrutura, adianta Albano Martins, terá capacidade para acolher mais de 500 cães abandonados.
“A Yat Yuen [Companhia de Corridas de Galgos Macau ] deu-me carta branca para eu poder começar a pensar no terreno”, disse à Lusa Albano Martins, à margem de uma visita dos jornalistas ao Canídromo.
No dia 27 de Julho, a empresa, que abandonou 533 cães nas instalações do Canídromo, comprometeu-se a construir um centro internacional de realojamento de galgos, único no mundo. Contudo, a utilidade do terreno escolhido é de finalidade industrial, sendo a alteração deste fim necessária para que as autoridades do território aprovem a construção das instalações. Caso as autoridades de Macau não aprovem o terreno, a opção deverá recair sobre Borba.
“O espaço provavelmente não vai para a frente (…) porque o proprietário se calhar não quer mudar a finalidade”, explicou o presidente da Anima. “Se não for ali não há outro sítio em Macau por falta de espaço, portanto onde é que se vai fazer? Em Portugal”, afirmou.
Quer o financiamento do projecto como o transporte dos animais será assegurado pela Yat Yuen, que pertence à Sociedade de Turismo e Diversões de Macau, fundada pelo magnata do jogo Stanley Ho, disse Albano Martins : “Eu já tinha falado com eles [Câmara de Borba] e até já falei com o ministro da Agricultura, para saber se 532 animais podiam ir para lá (…). Ele disse que sim, desde que se respeite as regras europeias”, disse Albano Martins.
Em 2017, em declarações ao jornal em língua portuguesa Ponto Final, Albano Martins já havia afirmado estar a ponderar a construção de um centro internacional de realojamento de galgos em Portugal.
“Expus ao Capoulas Santos [ministro da Agricultura] a situação dos galgos e o desejo que tinha de os levar todos para Portugal, para um centro internacional”, disse o presidente da Anima ao Ponto Final.
Em 2016, o Governo de Macau deu dois anos ao canídromo da cidade para mudar de localização e melhorar as condições dos cães usados nas corridas ou para encerrar a pista, cujas receitas se encontram em queda há vários anos.
A 12 de Julho, pouco antes de o contrato de exploração terminar, o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais de Macau já tinha exigido à Companhia de Corridas de Galgos a entrega imediata de um plano concreto para realojamento dos galgos, depois de a Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos ter recusado prolongar o contrato de exploração do Canídromo, a operar há mais de 50 anos no território.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.