Filipinas. Duterte ameaçou matar uma centena de polícias

Os agentes, que foram convocados pelo chefe de Estado para uma audiência no Palácio do Governo, são acusados de corrupção, abuso de poder e de práticas intimidatórias. Entre os polícias convocados estavam três que já cumprem pena de prisão.

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ameaçou matar uma centena de polícias acusados de corrupção e abuso de poder, anunciou na quarta-feira a presidência filipina num comunicado.

“Vocês são inúteis para mim e um flagelo para a sociedade”, afirmou Rodrigo Duterte, na terça-feira à noite no Palácio Presidencial.

De acordo com o comunicado, citado pela agência de notícias espanhola Efe, esta é a segunda vez que o Presidente filipino convoca “polícias acusados de corrupção ou más práticas” para os avisar publicamente, dado que as imagens foram gravadas e transmitidas repetidamente na televisão filipina.

Em Fevereiro do ano passado, Rodrigo Duterte convocou cerca de 200 polícias a Malacañang, em Manila, no auge da guerra contra as drogas que expunha as práticas abusivas da polícia. Os agentes foram acusados de mau comportamento.

De acordo com o comunicado, citado pela Efe, entre os agentes que foram na terça-feira ao Palácio Presidencial, havia três que já cumpriam pena de prisão “e saíram por algumas horas” apenas para participarem neste acto intimidatório do Presidente.

Entre os crimes cometidos pelos polícias convocados pelo Presidente filipino, estão roubo, extorsão, detenção ilegal grave, sequestro, violação, abusos de poder ou abandono do trabalho sem permissão.

Rodrigo Duterte referiu que os agentes envolvidos no narcotráfico e no crime organizado serão vigiados por uma “unidade especial” que irá controlá-los até ao fim da vida.

O Presidente das Filipinas empreendeu uma campanha de limpeza dentro da polícia nacional e teve que separar por alguns meses o órgão de segurança da campanha contra as drogas pelos seus abusos e práticas corruptas.
De acordo com dados oficiais, citados pela Efe, mais de 4.500 pessoas foram mortas na campanha de combate às drogas pela polícia, embora organizações de direitos humanos aumentem esse número para 12.000 ou 15.000 pessoas assassinadas no âmbito das operações, que terão sido conduzidas o mais das vezes de forma arbitrária.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.