Pequim que construir tunel ferroviário até Taiwan

 

Se vier a ser construída, a estrutura, com 135 quilómetros, será a maior do género alguma vez edificada. A obra, avisam os especialistas não se prefigura impossível, mas poderá agravar mais ainda as tensões entre Pequim e Taipé.

Cientistas chineses enviaram ao Governo um plano para construir um túnel ferroviário submarino entre a China continental e Taiwan, noticiou o diário South China Morning Post, numa altura de renovadas tensões entre Taipé e Pequim.
O estudo para construir o mais longo túnel do género no mundo, com 135 quilómetros debaixo do mar, surge num período de crescentes trocas de argumentos entre Pequim e o governo de Taiwan.

Alguns analistas consideram, no entanto, que a República Popular da China poderá começar a trabalhar no projecto de forma unilateral : “Será um dos maiores e mais desafiantes projectos de engenharia civil do século XXI”, disse um dos cientistas do Governo chinês ao SCMP. O responsável não refere o seu nome, por se tratar de um “projecto sensível”.

A ideia de um túnel a ligar o continente chinês e Taiwan já tem um século, mas só agora cientistas e engenheiros chegaram a um consenso sobre a melhor forma de materializar a empreitada.

O túnel começaria em Pingtan, na província de Fujian, leste da China, e atingiria 200 metros de profundidade, atravessando espessas camadas de rocha, incluindo granito extremamente duro, e com pelo menos dois desvios de falhas geológicas, regressando à superfície em Hsinchu, uma cidade costeira próxima de Taipé.

A construção seria três vezes e meio mais longa do que o Canal da Mancha, que liga França ao Reino Unido, e foi concluído em 1994. O projeto chinês teria características comuns àquela construção, consistindo em três túneis individuais, de acordo com o South China Morning Post.

Dois dos túneis seriam usados por comboios em direcções opostas, enquanto uma terceira passagem, no meio, iria alojar linhas eléctricas, cabos de comunicação e saídas de emergência.

O plano inclui ainda a criação de um par de ilhas artificiais a meio do trajecto, onde seria instalada uma estação de tratamento do ar, que canalizaria ar fresco para dentro do túnel.

Desde que há dois anos a Presidente taiwanesa, Tsai Ing-wen, do Partido Democrata Progressista, pró-independência, ascendeu ao poder, Pequim tem aumentado a pressão diplomática e militar sobre Taiwan.

“Começar a construção sem chegar antes a um acordo com o outro lado iria incitar sentimentos anti-China na ilha”, afirmou Zhao Jian, professor de economia na Universidade Jiaotong, em Pequim, citado pelo South China Morning Post.

“Iria fazer com que se afastassem ainda mais, em vez de promover uma maior aproximação”, disse.

Zhu Hehua, director de pesquisa sobre túneis e estruturas subterrâneas na universidade de Tongji, em Xangai, considerou que, devido à situação política, o projecto “parece tão distante como ir à Lua”, mas que “eventualmente se realizará”.

Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo governo chinês depois de o Partido Comunista tomar o poder no continente, em 1949, assume-se como República da China, mas Pequim considera-a uma província chinesa e não uma entidade política soberana.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.