Governo alerta contra o investimento em moedas virtuais

Em causa está a alegada fraude, num valor superior a vinte milhões de patacas, que envolveu Rita Santos e mais de sete dezenas de residentes do território. A sede da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau (ATFPM) foi no início do ano palco de uma sessão de divulgação das potencialidades das novas moedas virtuais.

As autoridades do território voltaram a alertar contra o investimento em moedas virtuais, ilegais no território, depois de cerca de sete dezenas de residentes locais terem sido vítimas de alegado caso de fraude no valor de 2,2 milhões de euros noticiado pelos órgãos de comunicação locais.

“A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) alerta, de novo, que a moeda virtual (…) não é uma moeda legal nem um instrumento financeiro, pelo que os residentes em geral devem ter cuidado com eventuais fraudes que essa moeda virtual possa envolver”, referiu aquela entidade, num comunicado divulgado na segunda-feira.

De acordo com os jornais locais, cerca de 70 pessoas foram alegadamente lesadas ao comprarem este tipo de moedas. A conselheira das comunidades portuguesas Rita Santos, bem como o filho, terão sido dois dos burlados.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária de Macau e Hong Kong.

Na mesma nota, o Autoridade Monetária lembrou que já tinha notificado no passado todos os bancos e instituições de pagamentos locais para que não se envolvessem neste tido de serviços financeiros, já que isso “pode constituir uma eventual violação das disposições do Regime Jurídico do Sistema Financeiro”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.