Parkinson. Japão vai fazer os primeiros ensaios clínicos com células de pluripotência induzida

Investigadores japoneses vão dar início esta semana ensaios clínicos para tratar o Parkinson utilizando células de pluripotência induzida (iPS), o primeiro teste deste tipo realizado para esta doença neurodegenerativa.

Os ensaios clínicos, que começam na próxima quarta-feira, consistem na implantação de células nervosas sãs no cérebro dos pacientes a fim de complementar as células nervosas danificadas, segundo anunciou hoje a Universidade de Quioto em conferência de imprensa.

A equipa, liderada pelo professor Jun Takahashi do Centro para a Investigação e Aplicação de células iPS dessa universidade, recebeu a aprovação do Governo japonês para começar o tratamento com sete pacientes.

Os investigadores fizeram já testes em macacos e comprovaram que nenhum dos animais desenvolveu tumores cerebrais que se pudessem transformar em cancro nos dois anos posteriores à experiência, como alguns especialistas advertiam.

O novo tratamento estará coberto pelo sistema de saúde do país asiático e procura atender ao crescente número de pacientes que sofre desta doença, cerca de 160.000 pessoas no Japão, segundo números da agência japonesa Kyodo.

A doença de Parkinson, da qual não existe cura, reduz os neurónios produtores de dopamina no cérebro e produz tremores em mãos e pés e rigidez no corpo.

“Eu gostaria que este tratamento estivesse disponível para as pessoas o mais rápido possível”, afirmou o presidente da Associação contra o Parkinson, Kosei Hasegawa, em declarações recolhidas pela Kyodo.

As células iPS já se utilizaram no Japão para realizar pioneiros transplantes de retina ou no fabrico de fármacos para tratar uma doença óssea extremamente rara e de origem genética.

A Universidade de Osaka também planeia utilizar este sistema para criar tecido muscular e tratar assim as falhas cardíacas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.