MGM inicia acção judicial contra sobreviventes do massacre de Las Vegas

A empresa, que possui no território os “resorts” MGM Macau e MGM Cotai, socorre-se de uma lei federal de 2001 e alega que não lhe podem ser imputadas responsabilidades pela chacina que em Outubro vitimou 58 pessoas em Las Vegas. Várias centenas de sobreviventes processaram a empresa ao longo dos últimos meses por falhas de segurança.

O grupo hoteleiro norte-americano MGM Resorts, proprietário dos ‘resorts’ MGM Macau e MGM Cotai, avançou com uma acção judicial contra centenas de sobreviventes do tiroteio de Outubro passado em Las Vegas, no qual 58 pessoas morreram.

Na acção judicial apresentada contra os feridos, a cadeia de hotéis afirma que “não tem responsabilidades de qualquer tipo” pelas mortes ou ferimentos resultantes do ataque, invocando uma lei federal aprovada após os ataques de 11 de Setembro de 2001.

No dia 1 de Outubro de 2017, Stephen Paddock, de 64 anos, barricou-se num quarto do ‘resort’ Mandalay Bay e disparou contra as cerca de 20 mil pessoas que assistiam a um festival de música ‘country’ nas imediações do hotel, ferindo mais de meio milhar de pessoas.

As acções judiciais iniciadas em vários Estados – como o Nevada, Califórnia e Nova Iorque – visam as vítimas que nos últimos meses processaram o grupo por falhas de segurança.

A MGM Resorts defende-se com uma lei que limita as responsabilidades quando são utilizados serviços certificados pelo Departamento de Segurança Interna dos EUA, lembrando que a Contemporary Services Corporation (CSC), a empresa de segurança contratada para o concerto, cumpria estes requisitos.

Bryan Claypool, sobrevivente e representante de outros 75 sobreviventes e familiares das vítimas mortais, acusou a acção judicial de ser “um truque” que não resistirá em tribunal.

Robert Eglet, cuja sociedade de advogados representa centenas de queixosos, qualificou a acção do grupo MGM de “ultrajante” e acusou a empresa de tentar intimidar as vítimas: “Ao longo dos meus 30 anos de actividade, este foi dos comportamentos mais condenáveis que já vi por parte de um réu”, afirmou. O causídico censura a atitude de iniciar a acção judicial em vários Estados: “Estão a tentar encontrar um juiz de que gostem”, disse.

Ao USA Today, Carl Tobias, professor na University of Richmond School of Law, no Virginia, apontou que os riscos da acção judicial podem não ter sido calculados: “Mesmo que a MGM tenha sucesso [na acção judicial], isso pode não prevalecer sobre a má publicidade que este processo gerou”, cita o diário norte-americano.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.