Metro. Empresa gestora ainda não viu a luz do dia

Devia ter sido constituída até ao final do segundo trimestre, mas o elevado volume de trabalho que o Governo tem em mãos não permitiu que assim fosse. O secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, deixou no entanto a entender que a entidade será constituída até ao final do ano.

O Secretário para os Transportes e Obras Públicas, Raimundo do Rosário, admitiu esta  manhã que o processo relativo à criação da empresa que vai ser responsável pela gestão de metro ligeiro do território está atrasado. No início de Dezembro passado, durante a apresentação das Linhas de Acção Governativa para a sua tutela, o Governante manifestou o desejo de ver a nova entidade criada antes do final do segundo trimestre.

O secretário para os Transportes e Obras Públicas falou  à imprensa, à margem da reunião da 3ª Comissão Permanente da Assembleia Legislativa, que esta manhã discutiu o “Regime Jurídico do transporte de passageiros em automóveis ligeiros de aluguer”. Interrogado pelos jornalistas, Rosário reconheceu que o processo de constituição da empresa está atrasado. O Secretário justificou o atraso com o grande volume de trabalho que o Governo tem em mãos: ‘” Sim, esse projecto sofreu um atraso. Temos tido demasiado trabalho em mãos e não tem sido fácil terminar tudo a tempo, tão simples quanto isso”, explicou o responsável pela pasta dos Transportes e Obras Pública. Raimundo do Rosário deixou, no entanto, entender que a empresa poderá ser constituída ainda até ao final do presente ano.

Em Dezembro, aquando da apresentação das Linhas de Acção Governativa para o domínio dos Transportes e Obras Públicas, Rosário anunciou no seu discurso que a empresa iria ser constituída este ano, mas mostrou-se reticente quando à possibilidade do projecto poder vir a ser rentável: “Nenhuma empresa privada vai meter dinheiro nesta empresa porque é prejuízo certo. Só temos estações de metros. Não podemos conseguir outros rendimentos e por isso tenho a certeza que esta empresa é de capitais públicos”, afirmou na altura o secretário já na fase do debate, em resposta a uma questão de um dos deputados.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.