Administração Trump abre guerra à amamentação

O impensável aconteceu na semana passada, na última assembleia geral da Organização Mundial de Saúde. Os representantes dos Estados Unidos da América recorreram a chantagem e a ameaças para impedir que uma resolução que encoraja o aleitamento materno fosse aprovada. O esforço acabou por se revelar infrutífero. A moção acabou por passar, depois de uma intervenção da Rússia.

Depois do clima e dos direitos humanos, Washington abriu guerra à mama. Sim, leu bem. A administração Trump opôs-se terminantemente a uma resolução debatida na assembleia geral da Organização Mundial de Saúde que tinha como propósito encorajar a amamentação. Washington terá mesmo ameaçado vários países com medidas de retaliação caso dessem luz verde ao documento, avança o “The New York Times”.

A proposta, aparentemente consensual, foi discutida na semana passada em Genebra e tinha por base décadas de investigação e dezenas de estudos científicos. Na resolução era feita a apologia do leite materno como sendo o alimento mais saudável para os bebés nos primeiros meses de vida. Os responsáveis pela resolução recomendava ainda que os países deviam procurar limitar a comercialização enganosa de complementos e de substitutos do leite materno.

Aparentemente, o contéudo da resolução não agradou aos representantes de Washington junto da Organização Mundial de Saúde. A delegação norte-americana saiu em defesa da indústria do leite em pó para bebés e sugeriu alterações radicais ao texto. Como os restantes membros da OMS recusaram modificar a proposta, os enviados dos Estados Unidos da América ao encontro de Genebra partiram para a ameaça. De acordo com fontes diplomáticas citadas pelo “The New York Times”, os delegados norte-americanos chegaram a insinuar que os Estados Unidos poderão cortar o financiamento à Organização Mundial de Saúde-

O Equador, que transmitiu desde cedo o seu apoio à resolução, foi o primeiro país a ser invectivado, com os representantes de Washington a avisar que o sim de Quito à proposta se iria reflectir no fim da cooperação na área militar e pela imposição de penalizações de natureza comercial. As autoridades equatorianas acabaram por ceder à pressão e recuar.

O Equador não foi, no entanto, caso único. Mais de uma dezena de outras nações foram alvo de pressões similares da parte da delegação norte-americana, com o propósito de travar a aprovação da resolução.

A ocorrência apanhou de surpresa as organizações de defesa de saúde pública, que se dizem chocadas com a posição das autoridades de Washington: “Estamos espantados, chocados e tristes”, disse Patti Rundall, directora do grupo Baby Milk Action, uma organização que se dedica à promoção das práticas de aleitamento materno. Rundall acusa a delegação norte-americana de fazer da chantagem uma arma e de procurar fazer o mundo “refém” da indústria alimentar dos Estados Unidos.

Os esforços dos representantes norte-americanos acabaram por se revelar inócuos. A recomendação acabou por passar depois de uma intervenção da Rússia.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.