Mundial 2018. França mais eficaz frente a um Uruguai sem garra

Dois golos, apontados nas únicas oportunidades flagrantes de golo de que beneficiou a França, colocaram a selecção gaulesa nas meias-finais do Campeonato do Mundo. A ausência de Cavani fez mossa no ataque do Uruguai, que foi frente aos franceses uma formação praticamente inofensiva.

A França apurou-se esta sexta-feira para as meias-finais do Campeonato do Mundo de Futebol, ao bater o Uruguai, por 2-0, num encontro em que foi tremendamente eficaz e marcou nos dois únicos remates enquadrados que fez.

Num lance de bola parada, a França adiantou-se no marcador aos 40 minutos, por Raphael Varane, antes de o guarda-redes Muslera ‘oferecer’ o segundo golo aos franceses, num remate da autoria de Antoine Griezmann, aos 61 minutos.

O Uruguai, que tinha apenas um golo sofrido no Mundial até agora – na vitória por 2-1 sobre Portugal -, foi menos eficaz defensivamente e a França soube explorar isso.

Após ter vencido um encontro entre antigos campeões do mundo, a França assegurou o regresso às meias-finais pela primeira vez desde 2006 e fica à espera do vencedor do Brasil-Bélgica. Com mais qualidade na posse de bola, a França raramente não pareceu em controlo do encontro, mesmo nas alturas em que o Uruguai tentou pressionar mais alto e obrigou os gauleses a cometerem alguns erros.

A ausência de Edinson Cavani, autor dos dois golos frente a Portugal nos oitavos de final, foi mais sentida no Uruguai do que a de Matuidi na França, com o avançado, lesionado, a fazer muita falta ao seu companheiro de ataque Luis Suárez, sempre sem auxílio de qualidade.

Stuani, primeiro, e Maxi Gómez, depois, nunca foram capazes de fazer esquecer ‘el matador’, fazendo do Uruguai uma equipa praticamente inofensiva, apesar de os dois primeiros remates enquadrados até terem sido dos sul-americanos. Hugo Lloris parou com segurança as tentativas de Giménez (14 minutos) e Vecino (36).

Já depois de Mbappé (15) ter desperdiçado a primeira grande oportunidade do encontro, ao cabecear por cima em excelente posição, o central Varane colocou os ‘bleus’ em vantagem, igualmente de cabeça, após um livre em que se antecipou a Vecino.

O único lance de claro perigo do Uruguai surgiu em cima do intervalo, na sequência de uma inevitável bola parada, mas Lloris parou, de forma ‘milagrosa’, um cabeceamento de Cáceres, com Godín na pequena área a atirar por cima a recarga.

O Uruguai, sempre muito calculista nos encontros anteriores, entrou a arriscar um pouco mais, mas acabou por ser ‘traído’ por Muslera, que deixou um remate de Griezmann passar-lhe entre mãos, não servindo de atenuante o efeito que a bola fez.

O 2-0 praticamente ‘matou’ o encontro e Cristian Rodríguez fez o último remate de relativo perigo do Uruguai, aos 64 minutos, mas ao lado da baliza. A partir daqui, após alguns momentos mais quezilentos, o jogo foi caminhando para o fim sem que o domínio da França fosse colocado em causa e com um Uruguai incapaz de criar lances de ataque. As lágrimas de Giménez ainda durante o encontro são a imagem da impotência dos sul-americanos.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.