Falsificação. O Alves dos Reis da Areia Preta

Um homem, de 28 anos, foi detido sob suspeita de falsificar e fazer circular dinheiro falso. O suspeito, que tinha em sua posse 75 notas falsas de 500 patacas em fase de acabamento, utilizou equipamento da escola onde trabalhava para imprimir o dinheiro contrafeito.

Um funcionário de uma das Escolas Luso-Chinesas do território foi detido pela Polícia Judiciária, sob suspeita de falsificação de dinheiro. O homem, de 28 anos, ensinava informática na Escola Luso-Chinesa Técnico-Profissional , estabelecimento de ensino no qual era ainda responsável pela gestão das redes informáticas. O homem, que terá utilizado equipamentos da Escola para imprimir notas falsas de 500 patacas, foi descoberto depois de ter pago favores sexuais com as notas contra-feitas.

A Polícia Judiciária foi alertada para a existência de notas falsas em circulação depois de uma mulher, oriunda do Continente, ter tentado utilizar duas notas contrafeitas para efectuar um pagamento num estabelecimento comercial. Depois de uma breve investigação, os investigadores da polícia de investigação do território chegaram à conclusão que a mulher em questão se tratava de uma profissional do sexo que tinha recebido o dinheiro falso de um cliente.

A Judiciária não teve grandes dificuldades para localizar o homem. As autoridades do território encontraram nada mais nada menos do que 75 notas contrafeitas de 500 patacas ainda em fase de acabamento durante a rusga que efectuaram à residência e ao local de trabalho do suspeito. Os investigadores da PJ encontraram ainda a versão electrónica das notas nos computadores e em dispositivos de armazenamento pertencentes ao suspeito.

Durante a investigação, as equipas da Polícia Judiciária encontraram ainda 200 folhas de papel com tiras de segurança, cada uma das quais podia ser utilizada para imprimir três notas de 500 patacas: “O suspeito produziu as notas contrafeitas tanto na sua residência, como no local de trabalho. Primeiro adquiriu os papéis com as faixas de segurança através da Internet. Este papel supostamente só deve ser utilizado por razões legais. Depois imprimiu as notas contrafeitas”, explicou Lai Man Wai, porta-voz da Polícia Judiciária.

Na conferência de imprensa em que deu a conhecer os contornos do esquema de falsificação, a Judiciária revelou ainda que as notas contrafeitas tinham números de série diferentes, o que mostra que o processo exibia um nível de sofisticação pouco habitual: “A textura do papel era muito próxima da textura das notas verdadeiras, apesar de ainda existir uma diferença considerável. De qualquer forma, não se tratava do papel A4 comum. Tendo por base as provas que recolhemos, concluímos que a qualidade das notas falsificadas era relativamente elevada. Têm um elevado nível de verosimilhança com as notas verdadeiras e não é propriamente fácil distingui-las a olho nu”, explicou Lai Man Wa.

A Judiciária acredita que o suspeito esteve envolvido em quatro outros casos de falsificação entre Setembro e Dezembro do ano passado. O homem recusou cooperar com a investigação policial e deverá ser indiciado pelos crimes de falsificação de moeda e de circulação de moeda falsa.

O director da Direcção dos Serviços de Educação e Juventude confirmou entretanto que o suspeito trabalhava na Escola Luso-Chinesa Técnico-Profissional, onde era responsável pela gestão das redes e dos servidores informáticos. O funcionário terá utilizado uma impressora a cores existente na biblioteca do estabelecimento de ensino para proceder à impressão das notas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.