Singapore Airlines transportou barbatana de tubarão para Hong Kong

A companhia aérea terá sido enganada por um cliente, que descreveu a carga que enviou para a antiga colónia britânica como sendo “produtos do mar secos”. O carregamento era proveniente de Colombo, no Sri Lanka, e contém alegadamente barbatanas de espécies ameaçadas, como o tubarão-baleia.

Activistas de organizações de defesa dos direitos dos animais anunciaram na quarta-feira a descoberta de um carregamento com quase uma tonelada de barbatanas de tubarão dissimulado entre a carga transportada até Hong Kong por um avião da Singapore Airlines. A companhia aérea proíbiu o transporte de mercadorias da índole. Do carregamento fazem parte barbatanas de várias espécies ameaçadas.

Hong Kong é uma das principais plataformas para o comércio de barbatanas de tubarão, iguaria que ainda pode ser encontrada nos restaurantes e nas lojas tradicionais da cidade com grande frequência. A venda de barbatanas de tubarão pertencentes a espécies ameaçadas é, ainda assim, proibida.

Sob fogo cruzado de associações ambientalistas e de grupos de protecção dos direitos dos animais, as companhias aéreas e as empresas de transporte marítimo optaram por deixar de transportar a polémica mercadoria.

De acordo com a organização ambientalista Sea Shepherd, o carregamento, com 989 quilogramas, chegou no início da semana ao aeroporto da antiga colónia britânica, oriundo de Colombo, no Sri Lanka. A carga terá passado por Singapura em trânsito e incluia barbatanas de tubarão-baleia, uma espécie que integra a lista dos animais ameaçados: “A Singapore Airlines é a mais recente vítima destas redes de contrabando. Enganaram ao companhia aérea ao descrever a carga como “produtos do mar secos” para evitar controlos internos”, disse à agência France Press o director para a Ásia da Sea Shepherd Global, Gary Stokes.

A companhia aérea, que proibiu o transporte de barbatanas de tubarão em 2014, já reagiu, anunciando que colocou a empresa responsável pelo envio do carregamento numa lista negra de entidades prevaricadoras. Os responsáveis pela companhia aérea deram ainda ordens expressas a todos os seus funcionários para que verifiquem de forma detalhada todos os carregamentos descritos como “produtos do mar secos”.

De acordo com o Fundo Mundial para a Vida Selvagem, mais de 70 milhões de tubarões são mortos todos os anos para que lhes sejam retiradas as barbatanas. O consumo desmedido da iguaria deixou várias espécies às portas da extinção.

Grandes quantidades de barbatanas de tubarão são enviadas todos os anos para Hong Kong, num processo que termina o mais das vezes à mesa de restaurantes de luxo da República Popular da China. A Sea Shepherd exigiu ao Governo de Hong Kong que endureça a legislação actualmente em vigor, no sentido de combater o tráfico de animais selvagens.

Apesar de continuar um dos principais centros mundiais de comércio de espécies ameaçadas, o consumo de barbatana de tubarão caiu ao longo dos últimos anos na antiga colónia britânica. Em 2013, o executivo de Hong Kong anunciou que iria deixar de servir barbatana de tubarão e atum rabilho em recepções oficiais, com o propósito de dar o exemplo na luta contra o extermínio de espécies ameaçadas.

Várias cadeias de hotelaria, como a Shangri-La e a Peninsula Hotels, já se tinham antecipado e feito o tubarão desaparecer dos menus em 2012 e em 2011.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.