Jogo. Sindicatos abrem frente de guerra em Las Vegas

MGM Grand exterior hero shot

Mais de 50 mil trabalhadores dos casinos de Las Vegas ameaçam fazer greve no próximo mês se as operadoras de jogo para as quais trabalham não se disponibilizarem para negociar novos contratos de trabalho. Entre as operadoras mais afectadas poderá estar a MGM Resorts International, a empresa mãe da MGM China.

Dezenas de milhares de funcionários dos casinos de Las Vegas aprovaram, na terça-feira, a realização de uma greve, em qualquer data, a partir do primeiro dia do mês de Junho.

A maioria dos membros do sindicato União Culinária votou a favor de uma greve para forçar as negociações de novos contratos de 50.000 trabalhadores que vão expirar à meia-noite de 31 de Maio.

As negociações para evitar uma paralisação –  que vai prejudicar casinos e ‘resorts’ da cidade –  prosseguem desde em Fevereiro, mas os sindicatos e os operadores de Las Vegas não chegaram a acordo.

Como resposta e demonstração de força, cerca de 25 mil empregados de bar, de limpeza e outros trabalhadores da área de hotelaria e restauração de 34 casinos e ‘resorts’ exerceram o direito de voto, dando autorização ao sindicato para organizar uma greve, a qualquer momento.

De acordo com os analistas, uma possível greve pode causar mais danos nas operadoras de jogo MGM Resorts International e Caesars Entertainment. Ambas as empresas já afirmaram estarem confiantes na assinatura de um acordo com os sindicatos, em benefício de todas as partes.

A MGM Resorts International tem como subsidiária a MGM China que opera uma licença de jogo no território. A última greve em Las Vegas durou 67 dias há mais de três décadas e custou à cidade e aos trabalhadores vários milhões de dólares.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.