Obra de Alberto Estima de Oliveira evocada em Lisboa

Alberto Estima de Oliveira. Fotografia retirada do blog "Cheira a Alecrim", de Maria Virgínia Machado

Ana Paula Laborinho, Carlos Morais José e Ariadne Nunes discutem amanhã, na Livraria Bertrand Chiado, a obra e o legado de Alberto Estima de Oliveira. O poeta, que residiu em Macau durante 22 anos, faleceu há dez anos, a 1 de Maio de 2008.

A obra e a memória de Alberto Estima de Oliveira, poeta português que residiu em Macau entre 1982 e 2004, vai ser esta quarta-feira evocada em Lisboa, na Livraria Bertrand Chiado, à Rua Garrett.

Organizado pelo Centro de Estudos de Comparatistas da Universidade de Lisboa, o “Tributo a Alberto Estima de Oliveira”, vai juntar à mesma mesa a antiga presidente do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, Ana Paula Laborinho, o escritor e jornalista Carlos Morais José e Ariadne Nunes, investigadora do Instituto de Estudos de Literatura e Tradição da Universidade Nova de Lisboa. A tertúlia, que se materializa por ocasião dos dez anos da morte de Alberto Estima de Oliveira, vai ser moderada por Fernanda Gil Costa, antiga directora do Departamento de Português da Universidade de Macau.

Nascido em Lisboa em 1934, Estima de Oliveira radicou-se em Macau em 1982, território onde viveu durante 22 anos e em que publicou grande parte da sua obra: “Infraestruturas”, em 1987, “Rosto”, em 1990, “O corpo (con)sentido”, em 1993, “Esqueleto do Tempo” em 1995, “O Sentir”, em 1996, e “Diálogo do Silêncio”, em 1988. Em 1999, recebeu o Grande Prémio Internacional de Poesia no Festival Internacional de Noites Poéticas de Curtea de Arges, na Roménia.

Algumas das suas obras foram traduzidas para língua chinesa e o seu legado poético foi reconhecido ainda em vida pelo Governo de Macau, que lhe atribuiu a Medalha de Mérito Cultural. Alberto Estima de Oliveira faleceu a 1 de Maio de 2008, menos de meio ano depois de ter visitado Macau pela última vez.

3 Comments

  1. Alberto Estima de Oliveira foi um grande amigo meu. Muitas vezes nos convivemos no Restaurante chinês, cujo nome agora não me recordo, na Rua da Felicidade. Quem por vezes também se juntava connosco era o Helder Fernando, José Silveira Machado e, por vezes, o grande padre Lancelote. Grandes e ótimas recordações tenho do grande amigo Estima de Oliveira. Foi um homem extremamente humilde e de um carácter extremamente fora de série.

  2. Estima de Oliveira foi meu Amigo e são muitas as saudades. Era um homem doce, extremamente humilde e conformado com uma vida difícil. Nunca dizíamos adeus era sempre um até amanhã mesmo sabendo que esse amanhã poderia ser um ano ou nunca mais. Tive pena de não ter sabido desta comemoração.

  3. Onde se lê: Nunca dizíamos adeus era sempre um até amanhã…deve ler-se era sempre um até já mesmo sabendo que poderia ser uma ano ou nunca mais…
    Curiosamente é assim que hoje eu e o meu filho nos despedimos.

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.