“Uber chinesa” oferece um milhão por condutor que matou passageira

O caso está a chocar a opinião pública no Continente. Um condutor da aplicação de transporte Didi terá morto à facada no último fim-de-semana uma hospedeira de bordo que solicitou os serviços da empresa. A Didi oferece um milhão de yuan por informação relativa ao paradeiro do condutor.

A aplicação de transporte privado Didi – a equivalente chinesa à Uber – anunciou esta sexta-feira uma recompensa de um milhão de yuan por informação que leve à detenção de um motorista suspeito de assassinar uma passageira.

“O Didi está à procura de um motorista chamado Liu Zhenhua (…). A empresa dará uma recompensa de até um milhão de yuan por informação que leve à sua detenção”, lê-se num comunicado publicado na conta oficial da empresa no Sina Weibo, o Twitter chinês.

O mesmo comunicado detalha o número de telemóvel e número de Bilhete de Identidade do suspeito.

No fim de semana passado, uma hospedeira de bordo chinesa de 21 anos, identificada como Li, foi assassinada, durante uma viagem num carro privado, solicitado através da aplicação do Didi.

A polícia confirmou que a mulher foi morta à facada pelo motorista, que continua a monte.

O Didi pediu desculpa publicamente pela morte de Li e assumiu a sua responsabilidade num caso que suscitou várias críticas a uma das ‘start-ups’ mais bem-sucedidas da China nos últimos anos.

Já em Maio de 2016, uma mulher de 24 anos foi assaltada e morta por um motorista registado no Didi.

Neste caso, o homem utilizou a sua carta de condução e bilhete de identidade para se registar na plataforma, mas utilizava uma matrícula falsa no automóvel.

Na mesma semana, os jornais chineses informaram que quatro adolescentes chinesas reportaram um motorista do Didi à polícia por se masturbar enquanto conduzia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.