Nuclear. Irão vai dar continuidade às negociações

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, anunciou que o país vai dar continuidade às negociações com os outros cinco países que assinaram, em 2015, o chamado Plano de Acção Conjunto Global. O Secretário Geral da ONU, António Guterres, considera que a decisão tomada pelo Governo norte-americano constitui um retrocesso na luta contra a proliferação nuclear.

Deputados iranianos incediaram esta quarta-feira uma bandeira de papel dos Estados Unidos em pleno parlamento, naquela que foi a mais vocal das reacções à decisão, anunciada ontem por Donald Trump, de abandonar o acordo sobre o programa nuclear do Irão.

O protesto não reflecte, no entanto, a posição do próprio Executivo iraniano. Numa declaração pela televisão estatal, o presidente iraniano Hassan Rouhani, lamentou a decisão unilateral tomada por Washington de abandonar o chamado Plano de Acção Conjunto Global e compremeteu-se a continuar as negociações com os restantes signatários do acordo, o Reino Unido, a França, a Rússia, a China e a Alemanha.

O Chefe de Estado iraniano lamentou o facto de Washington se revelar incapaz de assumir os compromissos internacionais que assinou: “Esta noite os Estados Unidos anunciaram oficialmente que não respeitam acordos internacionais. Mesmo antes de decidir agir contra o Plano de Acção Conjunto Global, o Sr. Trump rejeitou o compromisso que o seu país assumiu no âmbito do acordo de Paris e decidiu abandonar um acordo que tem grande importância e grandes benefícios para o ambiente à escala mundial”, lembrou o chefe de Estado iraniano.

De Paris, de Londres e de Berlim chega a garantia de que tudo será feito para que o acordo nuclear iraniano seja preservado. Os Ministros dos Negócios Estrangeiros de França, do Reino Unido e da Alemanha vão reunir-se com representantes de Teerão com o propósito de assegurar que o trabalho já desenvolvido possa ser salvaguardado.

O secretário Geral da Organização das Nações Unidas, António Guterres, considera a decisão tomada por Washington como um retrocesso na luta contra a proliferação nuclear: “O secretário-geral reiterou consistentemente que o Plano de Acção Conjunto Global constitui um grande contributo para a não-proliferação nuclear e para a diplomacia. O acordo contribuiu para a paz a nível regional e internacional. É essencial que todas as preocupações no que diz respeito à implementação do plano sejam abordadas através dos mecanismos estabelecidos pelo Plano de Acção Conjunto Global”, explicou o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

Da República Popular da China chega um pedido. O enviado especial de Pequim para o Médio Oriente, Gong Xiaosheng, apelou a todas as partes envolvidas que adiram ao acordo nuclear com o Irão e resolvam as disputas através do diálogo.

As críticas mais significativas à retirada dos Estados Unidos do Plano de Acção Conjunto Global foram feitas por Barack Obama. O antigo presidente norte-americanao considera que a decisão de Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo sobre o nuclear iraniano constitui um erro grave que pode prejudicar a credibilidade dos Estados Unidos do mundo.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.