Mostra “A Magia das Ruas de Macau” foi ontem inaugurada

Fotografia: Carlos Dias;

Reune mais de uma centena e meia de fotografias tiradas ao longo dos cinco últimos anos de uma carreira com quase cinco décadas. A exposição “A Magia das Ruas de Macau” está desde ontem patente ao público no pavilhão Chun Chou Tong, do Jardim Lou Lim Ieoc. A mostra passa em revista o trabalho de Carlos Dias, o decano dos fotógrafos macaenses.

Quem sabe, nunca esquece. No caso de Carlos Dias, nem uma paragem de mais de três décadas, nem a revolução tecnológica que sacudiu os alicerces da fotografia roubaram engenho e arte ao decano dos fotógrafos macaenses.

A obra de Carlos Dias está desde ontem em destaque no Pavilhão Chun Chou Tong do Jardim de Lou Lim Iec. Organizada pelo Instituto Internacional de Macau com o apoio do Instituto Cultural, a mostra “A Magia das Ruas de Macau” passa em revista os últimos cinco anos de uma carreira com quase cinco décadas, ainda que pautada por uma interrupção de quase trinta anos: “Só recomecei há cinco anos, em Maio de 2013, quando a minha filha me ofereceu uma máquina fotográfica. Quando era jovem era uma apaixonado pela fotografia, mas parei aos 37 anos. Comecei com 25 ou com 24 anos e terminei no final dos anos 70”, explicou Carlos Dias.

Mudam-se os tempos, altera-se a tecnologia e mudam-se também as vontades. Quando começou a fotografar, em 1969, Carlos Dias privilegiava a fotografia artística, mas acabou por se render ao potencial imagético da nova Macau. Os casinos, as ruas e os imóveis que integram a lista do Património Mundial da UNESCO estão entre os motivos favoritos do veterano fotógrafo, numa cisão evidente com o tipo de fotografia que fazia na juventude: “Na altura, quando fazia fotografia a preto e branco nos anos 70, tomava parte em concursos e em salões internacionais de fotografia e não me interessava muito por esta fotografia urbana, por esta fotografia das vias públicas. Era algo que não me interessava. Nessa altura as minhas fotos eram mais artísticas. Fotografava provas desportivas e eventos que tivessem um efeito mais artístico”, recorda o veterano fotógrafo.

A mostra “A magia das Ruas de Macau” reúne cerca de uma centena e meia de obras obtidas em vários pontos da cidade. Entre os trabalhos expostos estão alguns dos favoritos de Carlos Dias, obras que só se tornaram possíveis graças ao avanço da tecnologia e à substituição do velhinho filme por sensores digitais: “Gosto particularmente de quando há nevoeiro cerrado ou dias de chuva e também de cenas nocturna. Com a máquina digital, na era digital, é muito mais fácil do que antigamente. Antigamente, com as máquinas analógicas, não se conseguia obter estas fotografias”, sublinha o experiente fotógrafo, salientando ainda o contributo dado pela fotografia digital para a democratização da arte fotográfica.

Auto-didacta, Carlos Dias aprendeu por duas vezes pelos seus próprios meios a manobrar os princípios da fotografia, primeiro analógica e depois digital. Na década de 780, o decano dos fotógrafos macaenses do território chegou mesmo a conquistar dois prémios internacionais, atribuídos pela Photographic Society of America. Esta quarta-feira inaugurada, a exposição “A Magia das Ruas de Macau” permanece patente ao público até 11 de Maio. O trabalho de Carlos Dias também pode ser visto na rede social Facebook através da página Macau Fotografia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.