Portugal quer Sines no projecto “Uma Faixa, Uma Rota”

É o grande desígnio do momento, no que às relações luso-chinesas diz respeito. O Embaixador de Portugal em Pequim disse esta manhã que Lisboa ainda não abriu mão da ambição de ver o Porto de Sines integrar a iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota”. José Augusto Duarte diz que a iniciativa é incontornável do ponto de vista económico.

O embaixador de Portugal na República Popular da China, José Augusto Duarte, reiterou esta terça-feira que Portugal tem a ambição de incluir o Porto de Sines no projecto chinês “Uma Faixa, Uma Rota”.

“Portugal tem um interesse inequívoco em ficar conectado, com esta iniciativa, do ponto de vista económico”, afirmou o embaixador, durante uma conversa com os jornalistas no antigo Hotel Bela Vista, actual residência oficial do cônsul-geral de Portugal em Macau e Hong Kong.

Para José Augusto Duarte este projecto pode ajudar bastante a economia portuguesa já que o país tem “uma posição estratégica única na Europa, de facilidade de ligação ao continente americano e ao continente africano [por mar] e por terra a toda esta massa continental euro-asiática”.

Anunciada pelo Presidente chinês, Xi Jinping, a iniciativa “Faixa económica da rota da seda e a Rota da seda marítima do século XXI”, mais conhecida como “Uma Faixa, Uma Rota”, pressupõe investimentos da ordem dos 900 mil milhões de dólares, e visa reactivar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Em relação às exportações portuguesas para a China, o embaixador defendeu ser necessário a criação de condições para que os produtores “possam exportar com mais facilidade neste mercado”: “A distância física conta. Não é a mesma coisa exportar para Badajoz ou Espanha do que exportar para a China”, disse. “A China não é apenas distante, é intimidatória” afirmou José Augusto Duarte, justificando que a China é um “país com 1.4 mil milhões habitantes e com uma língua completamente diferente”.

O representante diplomático de Lisboa em Pequim anunciou que Portugal se encontra a criar condições legais para “uma série de produtos que neste momento não podem ser exportados”.

Só depois disso será possível “trazer os empresários, dar-lhes a devida preparação, a devida informação estabelecer contactos e fazer ‘lobby’”, esclareceu: “Estamos a negociar há vários anos a possibilidade de exportar para o mercado chinês carne de porco congelada portuguesa e a negociação está em curso”, afirmou o embaixador.

José Augusto Duarte referenciou a marca de cervejas portuguesa “Super Bock” como um “sucesso imenso nas exportações” para a China, afirmando ser “neste momento a cerveja importada na China”.

Questionado sobre as questões das liberdades cívicas em Macau e pelo respeito que as autoridades locais estão a dar ao princípio “Um país, Dois sistemas”, o embaixador afirmou que o Estado Português está atento e observador, mas “tudo somado e concluído, não existem motivos para preocupação”.

Já em relação à China, José Augusto Duarte referiu que uma coisa são os valores ocidentais e os valores que defende para o seu país e outra são os valores orientais: “A visão moralista que tentamos impor aos outros e temos feito isso ao longo da história, geralmente dão mau resultado”, afirmou o embaixador, observando que a China, neste momento, “tem o melhor nível de vida e de desenvolvimento social que alguma vez teve ao longo da sua história”: “Nenhum povo vive indiferente ao bem-estar material, com o passar do tempo isso pode não ser suficiente, mas cada sociedade tem de ver “o melhor timing para isso”, concluiu o diplomata.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.