EUA. Ronny Jackson retirou candidatura ao Departamento de Veteranos

O médico da Casa Branca, Ronny Jackson, retirou esta quinta-feira, a candidatura ao Departamento  de Veteranos do Governo norte-americano, depois de o Senado ter tomado a decisão de cancelar a audiência de confirmação do clínico. Jackson é acusados pela oposição democrata de abusar da prescrição de medicamentos, de beber no trabalho e de gerar um ambienta laboral hostil.

 

O médico designado por Donald Trump para liderar o Departamento de Veteranos do governo norte-americano retirou esta quinta-feira a sua candidatura ao cargo. Ronny Jackson viu o Senado cancelar a sua confirmação, depois de terem vindo a público acusações de que consome álcool no trabalho e de que abusa da prescrição de medicamentos.

Jackson, um almirante que exerceu a actividade de médico na Casa Branca ao serviço dos três últimos presidentes norte-americanos, estava sob crescente vigilância do Senado e esta semana cancelou a sua audiência de confirmação. A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, lamenta a decisão e diz que o trabalho feito ao longo das últimas décadas na Casa Branca prova que Ronny Jackson era uma boa escolha para a liderança do Departamento de Veteranos: “O currículo do Dr. Jackson como médico da Casa Branca é impecável. De facto, e uma vez que o Dr. Jackson trabalhou com três presidentes, teve de se submeter a um maior escrutínio que todos os outros nomeados. Dada a sua posição única de confiança e de responsabilidade, o percurso e o carácter do Dr. Jackson foram avaliados durante três administrações diferentes”, salientou a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders.

A oposição democrata e o comité de Assuntos de Veteranos do Senado publicaram esta semana um relatório que compila entrevistas feitas a 23 pessoas que trabalham ou trabalharam com Jackson. No documento, o médico é acusado de negligência na prescrição de medicamentos, de beber no trabalho e de gerar um ambiente laboral hostil.

Apesar do teor das acusações, Donald Trump, reiterou o apoio a Ronny Jakcson. O presidente dos Estados Unidos da América defende que o clínico tratado pelo Senado de forma muito injusta: “Ele é um grande homem e foi tratado de forma muito injusta.  Foi tratado de uma forma verdadeiramente injusta. Mas é um homem extraordinário”, considerou o chefe de Estado norte-americano à margem de um encontro com um grupo de crianças.

A CNN e a New York Times informaram ainda que durante uma viagem ao estrangeiro em 2015, Ronny Jackson se embebedou e provocou distúrbios no hotel onde estava também alojado o então presidente Barack Obama.

O relatório do Senado também assinala que Jackson era conhecido pelo funcionários da Casa Branca como “o homem dos caramelos”, porque lhes oferecia os medicamentos que quisessem sem a respectiva receita.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.