Guerra comercial. China preparada para novas restrições

O governo norte-americano poderá estar a preparar-se para impor novas restrições de natureza comercial a Pequim. As novas medidas visam refrear o investimento chinês nos Estados Unidos e impedir que empresas chinesas adquiram tecnologia tida como sensível.

A China está preparada para o pior, no âmbito do diferendo comercial que Pequim mantém com Washington. A garantia foi esta manhã dada pelo porta-voz do Ministério do Comércio da República Popular da China. Gao Feng diz que o Governo Central está à espera que as autoridades norte-americanas avancem com um novo pacote de restrições ao nível das relações comerciais. Pequim defende que a opção é errada e que a via do proteccionismo, em última instância, vai acabar por prejudicar também a economia norte-americana: “Tomamos nota de comentários relacionados que foram feitos pelo lado norte-americano. O que que quero sublinhar é que a China se opõe terminantemente à tomada unilateral de decisões e ao proteccionismo. Ao longo dos anos, as empresas chinesa deram importantes contributos para o aumento do emprego a nível doméstico nos Estados Unidos e para o desenvolvimento económico norte-americano”, assume o Porta-voz do Ministério do Comércio chinês.

Informações não confirmadas que vieram a público ao longo dos últimos dias dão conta da intenção dos Estados Unidos de fazer uso de um regulamento especial com o propósito de impor novas restrições a empresas e investidores chineses. O novo pacote de medidas visa refrear o investimento chinês nos Estados Unidos e impedir que empresas chinesas adquiram tecnologia vista por Washington como sensível. Gao Feng define a medida como perigosa e insta o governo norte-americano a agir de acordo com as políticas definidas pela Organização Mundial do Comércio: “Esperamos que os Estados Unidos da América possam agir em consonância com as leis do desenvolvimento económico e possam ir ao encontro das tendências mundiais de desenvolvimento económico. Só assim a forma de agir de Washington pode conduzir a um desenvolvimento estável a longo prazo, tanto no que diz respeito à economia norte-americana, como no que diz respeito à economia global. Relativamente aos comentários feitos pela parte americana, a China vai não só ouvir o que têm a dizer, mas também observar o que eles fazem. Em jeito de conclusão, estamos preparados para o pior”, esclarece o responsável.

Gao reconhece que os tempos que correm são de incerteza no que às relações comerciais entre as duas maiores potenciais do mundo diz respeito. O porta-voz do Ministério do Comércio diz que algumas empresas chinesas refrearam o ritmo de investimento nos Estados Unidos e outras abriram mesmo mão da intenção de investir no país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.