Wynn Macau não está à venda, assegura Linda Chen

Os últimos meses têm sido meses de grande turbulência interna no seio da Wynn Resorts, mas a mudança na estrutura accionista da empresa e o afastamento de Steve Wynn da liderança do grupo que criou não roubam confiança aos responsáveis pela Wynn Macau. A Vice-presidente e Directora Executiva da operadora de jogo, Linda Chen, está convicta que a Wynn Macau vai continuar a dar cartas no território e fazer parte da paisagem da indústria do jogo na RAEM.

A aquisição, por parte do grupo Galaxy Entertainment de uma participação de 4,9 por cento na estrutura accionista da Wynn Resorts surpreendeu observadores e analistas, mas  a responsável desvaloriza o negócio. A directora executiva da Wynn Macau diz que se trata de um procedimento normal numa empresa de capitais abertos e considera que o grupo Galaxy Entertainment é um accionista como qualquer outro.

A empresa liderada por Lui Che-woo entrou  no capital da Wynn Resorts no exacto dia em que o fundador do grupo norte-americano, Steve Wynn, se apartou em definitivo da empresa que fundou.

O magnata demitiu-se em Fevereiro da presidência da administração da operadora de jogo, depois do “The Wall Street Journal” ter publicado testemunhos de funcionárias da empresa que denunciaram alegados abusos sexuais perpetrados por Wynn.

Esta semana, a operadora de jogo anunciou a entrada de três administradoras no Conselho de Administração da empresa, uma medida vista como natural por Linda Chen.

A entrada do Grupo Galaxy Entertainment no capital da Wynn Resorts suscitou especulação sob a eventual continuidade da operadora de jogo em Macau, mas Linda Chen assegura que os rumores são infundados. A directora executiva da concessionária garante que a empresa não está à venda e que o grupo não tem interesse em qualquer mudança de vulto. As declarações de Chen foram feitas esta manhã, à margem de um encontro com Pequenas e Médias Empresas e fornecedores do território.

 

Com quantas empresas locais é que a Wynn Macau mantém relações comerciais tendo em vista a aquisição de bens e serviços? Em termos de volume de negócio, estamos a falar de aquisições avaliadas em quanto dinheiro?

Linda Chen: No que diz respeito ao nosso actual programa, desde o ano passado até agora, aumentamos em 65 por cento os nossos procedimentos de aquisição junto das Pequenas e Médias Empresas. O nosso programa está formulado tendo por base três categorias: as microempresas, os jovens empresários e os produtos “Made in Macau”. No futuro, tencionamos expandir esta tendência. Não se trata de um mero número. O que nos interessa é a forma como podemos ajudar as Pequenas e Médias Empresas locais a crescer, num processo que não se cinge apenas a Macau. Creio que a partir de agora, estas empresas poderão ter a ambição de se aventurar no espaço da Grande Baía Guangdong – Hong Kong – Macau. Depois de se submeterem a um processo de reconhecimento como Fornecedores Internacionais,  podem  providenciar serviços a quem quer que seja na zona da Grande Baía.

Essa é uma tendência que vai pautar o futuro? Iremos ver as concessionárias de jogo a adquirir cada vez mais produtos e serviços não apenas às empresas de Macau, mas também a empresas de Hong Kong e das nove cidades que integram o projecto da Grande Baía?

L.C: Creio que há medida que as oportunidades se colocam, seja a uma cidade, a uma empresa ou a uma pessoa a título indivídual, todos devem ser capazes de tirar proveito das orientações para melhorar a sua performance. Sim, no futuro aumentará, definitivamente, o número de fornecedores que ambicionam fazer negócio em Macau e a concorrência vai aumentar, mas ao mesmo tempo, as empresas do território – em particular as seis concessionárias de jogo – receberam indicações concretas de que devem ajudar as empresas de Macau. Eu creio que as Pequenas e Médias Empresas locais serão beneficiadas e vão ter a oportunidade de crescer de forma mais rápida porque vamos oferecer-lhes não apenas apoio para que adquiram os produtos, mas também ajuda a delinear estratégias para que possam agir de acordo com os critérios internacionais. O próprio Governo de Macau desenvolveu um programa muito poderoso que visa certificar a qualidade dos serviços prestados pelas empresas locais. Trata-se, no fundo, de seguir o que é feito a nível internacional. Se a qualidade de um produto for comprovada, esse produto vai ser visto como tal em toda a região da Grande Baía.

Quais são as áreas em que as relações com as Pequenas e Médias Empresas locais são mais significativas?

LC: As relações são muito significativas numa série de áreas. A área dos comes e bebes é, obviamente, uma delas. A das operações diárias dos equipamentos hoteleiros e de produtos direccionados para o jogos são outros domínios onde esta interacção é muito importante. Somos uma pequena cidade dentro da cidade. Tudo aquilo que lhe vem à mente e de que uma pessoa possa necessitar em Macau, nós providenciamos . Nós queremos que todos os clientes, sejam eles internacionais ou locais, possam vir ao Wynn e tirar proveito de tudo aquilo que possam tirar proveito. Precisamos de todos os produtos de que necessita a indústria do entretenimento para que se possa afirmar.

A Wynn Resorts está a passar pela sua própria revolução interna . Ontem, a operadora-mãe da Wynn Macau anunciou a nomeação, para o Conselho de Administração, de três administradoras. O mesmo pode vir a acontecer em Macau? É, neste momento, o rosto da Wynn Macau. Gostaria de ver mais mulheres em cargos de decisão no território?

L.C: A decisão de incluir mais mulheres no Conselho de Administração é um processo natural, independentemente de ter acontecido neste momento nos Estados Unidos da América e do que infelizmente sucedeu no passado no seio da nossa empresa. De qualquer forma, trata-se de uma evolução social. A sociedade começa a reconhecer cada vez mais mulheres que estão decididas a trabalhar e que querem progredir. Esperamos que Macau e que a Ásia possam seguir pelo mesmo caminho. No que nos diz respeito, estamos constantemente à procura de mulheres  – ou de homens – qualificados que possam dar o seu contributo ao Conselho de Administração. Ao mesmo tempo, as pessoas têm que se comprometer com o nosso modelo de negócio. Como sabe, um Conselho de Administração tem a responsabilidade de providenciar a direcção certa à empresa e  de facultar o melhor aconselhamento, em conformidade com os interesses dos accionistas. Estamos sempre à procura de candidatos qualificados, sejam eles mulheres ou homens.

Recentemente, uma outra operadora de jogo adquiriu quase cinco por cento do capital da Wynn. O que significa esta aquisição, em termos concretos, para a Wynn Macau? A Wynn Macau vai continuar a ser um dos intervenientes na paisagem do jogo do território após a renovação dos contratos de jogo? Ou este negócio enfraquece de alguma forma a possição da Wynn Resorts?

L.C: Refere-se, ao que me parece, à aquisição feita pelo grupo Galaxy. De facto, eles adquiriam 4,9 por cento dos activos da Wynn nos Estados Unidos, o que se traduz por uma fatia de 3,5 por cento no que diz respeito ao capital da Wynn Macau. Qualquer que seja a percentagem, o grupo Galaxy é um investidor  e ficamos contentes por poder contar com um investidor desta qualidade na estrutura accionista da nossa empresa, mas é um accionista igual a muitos outros investidores que temos na empresa. Dito isto, ficamos muito contentes e honrados com o facto de que a Galaxy partilhe connosco os mesmos valores em dominínios como a qualidade e o nível das operações ou o contributo dada para a sociedade de Macau. Temos muita sorte de ter suscitado o interesse de um investidor com tanta qualidade, mas é um investidor igual aos demais. Os nossos funcionários são nossos investidores; todos os nossos funcionários têm acções da Wynn Macau. É uma empresa de capital aberto e, como tal, qualquer pessoa que possua acções deve ser considerada como um dono da empresa e é parte da nossa voz. No que diz respeito às nossas operações não houve qualquer mudança. A maior parte dos responsáveis pela gestão da Wynn estão aqui desde o início e quase todos há mais de dez anos. No que diz respeito à qualidade do serviço, estou certa de que se apercebe que nada mudou. Estamos até a melhorar, à medida que desenvolvemos mais produtos. A longo prazo estamos mais confiantes e sentimo-nos afortunados por poder estar em Macau  e sentimo-nos muito confiantes em relação ao futuro dos nossos negócios e à nossa permanência aqui.

Tem sido noticiado o interesse de outras operadoras na aquisição de activos do Wynn. Esta hipótese seria ou não bem-vinda?

L.C: Não tencionamos dinamizar qualquer mudança  e a empresa tampouco está à venda, mas devo dizer que nos sentimos lisonjeados com o eventual interesse que outras empresas possam ter na Wynn, seja para investir, seja para trabalhar connosco. Isso significa que estamos a providenciar serviços de boa qualidade, seja à população de Macau, seja a quem visita o território.  No entanto, a nossa empresa não tem interesse em qualquer mudança neste momento.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.