“Não digam que não foram avisados”. Pequim ameaça a Formosa

As autoridades chinesas estão a conduzir exercícios com fogo real no Estreito de Taiwan, uma iniciativa que tem como propósito intimidar os movimentos independentistas da Formosa. Pequim divulgou, no entanto, poucos detalhes sobre os exercícios militares.

A marinha chinesa está a realizar exercícios militares com fogo real no Estreito de Taiwan, num período de renovadas tensões entre Pequim e Taipé devido ao apoio dos Estados Unidos ao governo da ilha.

O Governo chinês difundiu poucos detalhes sobre os exercícios. A televisão estatal CCTV, no entanto, informou que estes são dirigidos às forças independentistas de Taiwan, com a seguinte manchete no seu portal: “Não digam que não foram avisados!”.

Os exercícios foram anunciados, na semana passada, pelas autoridades da província de Fujian encarregues da segurança marítima. O anúncio surgiu depois de, na quinta-feira passada, o Presidente chinês, Xi Jinping, ter supervisionado a maior revista militar de sempre da marinha chinesa.

Taiwan, a ilha onde se refugiou o antigo Governo chinês depois de o Partido Comunista (PCC) tomar o poder no continente, em 1949, assume-se como República da China, mas Pequim considera-a uma província chinesa e ameaça usar a força caso declare independência.

Os EUA são o aliado mais importante da ilha e o seu principal fornecedor de armas, apesar de os dois lados não terem relações diplomáticas, desde 1979.

A República China realizou já missões no espaço aéreo em torno de Taiwan e tem repetidamente feito navegar o seu único porta-aviões, o Liaoning, em águas próximas do território.

Os exercícios navais ilustram também as crescentes capacidades da China em defender os seus interesses marítimos e reclamações territoriais, sobretudo no Mar do Sul da China.

Pequim está a construir novos navios para equipar a sua marinha, guarda costeira e agência de aplicação da lei marítima, incluindo um porta-aviões de fabrico inteiramente doméstico.

Pequim reivindica quase todo o Mar do Sul da China, apesar das reivindicações do Vietname, Filipinas, Malásia e Brunei.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.