Clima. O gosto incerto do vinho em 2050

Ao que vai saber um copo de vinho do Douro ou um “grand cru” de Bordéus em meados do corrente século? Um enólogo francês procurou antecipar a resposta com uma experiência inédita. Pascal Chatonnet produziu vinho com duas das principais castas utilizadas na produção do vinho de Bordéus, mas produzidas na Tunísia e o no sul de França. O resultado? Um vinho bebível, mas muito diferente do actual “Bordeux”.

Agência AFP

Ao que poderá saber um vinho de Bordéus em 2050 se o clima no sudoeste de França se aproximar daquilo que é actualmente o clima típico de Espanha? Um vitivinicultor da zona da Aquitânia chamou a si a responsabilidade de procurar descobrir de que forma as mudanças climáticas vão influenciar as colheitas do futuro, antecipando em trinta anos o que poderão ser os néctares de amanhã. O resultado é um vinho “bebível”, mas muito diferente dos “grand crus” produzidos em Bordéus actualmente.

“Juntei vinhos tintos provenientes de duas castas típicas” da região – o merlot e o cabernet sauvignon – mas produzidos em latitudes bem mais meridionais, na Tunísia e no Minervois, uma sub-região do Languedoc-Roussillon, explicou à agência France Press Pascal Chatonnet, enólogo e responsável pela produção do Chateau Haut-Chaigneau, em Néac, na Gironda.

Pascal Chatonnet, o criador do vinho do futuro.

Chatonnet diz que na experiência teve por base o limite superior das previsões relativas ao aquecimento global, tendo por base a hipótese avançada por vários climatólogos, de acordo com a qual “o clima de Bordéus será similar ao clima que se faz sentir actualmente na cidade espanhola de Toledo”.

“Estes vinhos são um bom exemplo da expressão que estas castas vão adquirir sob determinadas condições climatéricas”, explica o enólogo. Pascal Chatonnet foi mandato pela Associação de Jornalistas do Ambiente e por uma empresa privada para conduzir uma experiência até agora inédita: “Trata-se apenas de um ponto de vista sobre o aquecimento global. Não há nada de matemático no processo”, complementa o vitivinicultor.

A bebida criada por Chatonnet foi apresentada na semana em Paris. Com um grau de álcool na ordem dos 13,5 por cento, a colheita vai ao encontro do que são actualmente as expectativas do mercado, mas surpreendeu pela negativa os especialistas. Nascida em Bordéus, Monique Josse, do Museu do Vinho em Paris, não escondeu a desilusão com o futuro Bordeaux: “Não é aquilo a que estava habituada desde a infância”, explica. “Se tivesse sido uma prova cega, eu teria dito que estava a beber um Languedoc, mas muito básico. A verdade é que falta o “terroir”, o solo e o subsolo, que são uma parte importante do carácter do vinho. É bebível, mas falta-lhe uma certa finura e alguma autenticidade”, defendeu Josse.

A especialista mostra-se, ainda assim, surpreendida com o facto de que o teor alcóolico da colheira criada por Chatonnet não seja superior a 13,5 por cento: “Em França, e ao longo dos últimos trinta anos, já ganhamos três por cento. Em França, já não se consegue encontrar vinhos ligeiros, o que é uma pena”, adianta.

Qual será, então o sabor, de um Bordéus em 2050? Bem … Não sei ao certo. É muito difícil avançar com uma projecção. As incógnitas ainda são muitas”.

Mudanças radicais

Uma temperatura média mundial dois graus mais elevada deverá contribuir para colheitas com um travo mais maduro, mas também mais empobrecido. Em anos de seca, os néctares produzidos devem ter um gosto mais seco e mais amargo, dizem os especialistas.

Conclusão de Pascal Chatonnet: “Se quisermos manter vinhos com uma boa textura com o clima de 2050, não podemos apostar nas mesmas variedades e nas mesmas castas”, aconselha.

Caso as previsões relativas ao aquecimento global se confirmem, países como a Inglaterra e a Alemanha podem tornar-se líderes mundiais na produção vitivinícola.

A questão não é, de resto, nova. Desde há várias anos, em Bordéus como um pouco por toda a França, a enologia fornece as armas, com a ajuda da ciência, para que os grandes vinhos possam conservar no futuro o seu carácter típico.

Um exemplo. Com a “parcela 52”, situada no coração da área de denominação de origem controlada de Graves, os investigadores testam 52 castas de todo o mundo para procurar perceber quais se equiparam de melhor forma às castas bordalesas.

No centro de todas as preocupações está a vulnerabilidade do merlot. A casta que mais prevalece na paisagem vitivínicola de Bordéus tem como handicap uma maturação precoce e arrisca-se a ser abandonado.

Com a experiência agora conduzida, os responsáveis pela iniciativa do “cru 2050” querem sensibilizar a opinião pública e lançar o debate: “Esta aposta tem por propósito fazer com que os agentes do sector e com que os consumidores entendam que nada mais será o mesmo e que tudo se vai alterar muito rapidamente”, sublinha Yves Leers, jornalista e autor especializado na cobertura de questões ambientais.

O primeiro passo para enfrentar um futuro certo é óbvio e passa por “assumir a realidade relativamente às mudanças climáticas”, assume Leers. O especialista insiste nas consequências económicas das alterações em curso. O sector vitivínicola, recorda, ocupa em França o segundo posto na tabela dos domínios que mais contribuem para as exportações, logo atrás da aeronáutica.

A ocasião é propícia também para que se adoptem práticas culturais o mais cedo possível. A começar pela opção de desfolhar a vinha o menos possível.

Para além da emergência de novas regiões demarcadas em zonas como a Bretanha, a Suécia ou a Polónia, no futuro é possível que destinos como a Alemanha ou a Inglaterra se possam vir a afirmar como líderes mundiais na produção vitivinícola.

Para o climatólogo Hervé Le Treut, ele também natural da Aquitânia, a experiência do vinho do futuro é um “exercício interessante”. Em oito mil anos de vitivinicultura, “não conhecemos mudanças climáticas radicais como aquelas que nos preparamos para enfrentar à escala mundial”, adverte.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.