China. Uma breve minuta geográfica

A chamada "primeira curva do Yangtze", na província de Yunnan.

A China, terceiro maior país do mundo, com uma superfície total de 9,6 milhões de quilómetros quadrados, estende-se 5500 quilómetros do norte ao sul e outros cinco mil da costa leste às cordilheiras montanhosas da Ásia Central que a separam de países como o Paquistão e o Afeganistão.

Geograficamente titânica e heterogénea, é banhada a oriente pelo Mar de Bohai, o Mar Amarelo, o Mar da China Oriental e o Mar da China Meridional. A sua linha costeira continental, excluíndo as diversas ilhas sob a jurisdição de Pequim, mede cerca de 18 mil quilómetros. Apesar de serem inúmeros os arquipélagos sobre os quais reclama soberania, a China só possui duas ilhas com alguma relevância em termos de superfície, sendo que o estatuto de uma delas – Taiwan – é alvo de contestação. A Formosa não está de facto sob jurisdição directa de Pequim. As circunstâncias fazem, por isso, com que Hainão assuma o estatuto de principal dependência insular da República Popular da China.

Dois terços da superfície da China são ocupados por regiões montanhosas: na parte oeste do país, o planalto tibetano, com quatro mil metros, é circunscrito a norte e a leste pelos maciços de Kunlun, Qilian e Hengduan.

Parte considerável do território chinês é ainda constituído por grandes bacias e planaltos, nos quais a altitude oscila entre os mil e os dois mil metros. Esta região estende-se para leste e é conformada pelas cordilheiras de Xing An, Paihang, Wushan e Xuefeng. A oriente destes maciços estende-se a China fértil, das planícies e de os acidentes geográficos de pequena dimensão, uma zona em que a altitude raramente ultrapassa a fasquia dos 500 metros.

As terras agrícolas encontram-se essencialmente na faixa leste e norte do país, onde o efeito das monções mais se faz sentir. As florestas, com uma função pouco significativa, cobrem o Nordeste e as zonas montanhosas do sudoeste.

No nordeste, a paisagem volta a alterar-se substancialmente, com vastas estepes a estenderem-se por uma área de quase quatro milhões de quilómetros quadrados. A China é rasgada longitudinalmente por dois grandes rios, o rio Amarelo e o Changjiang (長江), importante via fluvial conhecida no Ocidente pelo nome de Yangtze.

Um terceiro curso de água, mais pequeno – o Zhangjiang ou Rio das Pérolas, irriga boa parte do Sul do país, região onde se concentram 60 por cento das reservas hidrográficas da China. O clima dominante é temperado, com quatro estações bem definidas, mas marcadas por disparidades importantes e uma forte influência das monções. O território chinês estende-se entre uma zona com clima tropical (Hainão fica situada a apenas 400 quilómetros do Equador) e uma zona temperada fria (o norte da China está situado a uma latitude de 53 graus). A região oeste é dominada pelo clima do planalto tibetano e no noroeste sente-se a influência das grandes estepes da Ásia Central, com a região sob a influência de um clima continental frio.

É habitual priveligiar-se a divisão da China em quatro grandes regiões, de acordo com uma lógica económica: uma zona costeira, que se estende de leste para sul e que foi a grande beneficiária das políticas impulsionadas por Deng Xiaoping; o nordeste, cobrindo essencialmente a zona da antiga Manchúria, em que a economia esteve durante décadas dependente das indústrias pesadas, antes de se reconverter numa economia movida pelas novas tecnologias.

As duas outras regiões englobam as províncias, densamente povoadas do centro-oeste e regiões etnicamente muito variadas, como o Xinjiang, o Tibete, Qinghai ou o Yunnan e, finalmente, as províncias do centro do país (Henan, Hunan e Hubei), bastiões tradicionais da etnia han que foram durante muito tempo negligenciadas pelas autoridades de Pequim.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.