Macau Legend reitera o interesse em investir em Setúbal

A garantia foi dada ao jornal português Diário da Região por Duarte Pinto Gonçalves. O director executivo da Macau Legend para os projectos em Portugal e em Cabo Verde desmentiu a Ministra do Mar do Executivo de Lisboa, Ana Paula Vitorino, mas deixou, ainda assim, vários avisos à navegação.

O representantente em Portugal do grupo Macau Legend Development, dirigido pelo empresário David Chow, reiterou o interesse em investir em Setúbal e desmentiu a informação avançada em Sines, na passada sexta-feira, por Ana Paula Vitorino, a Ministra do Mar do Executivo de Lisboa.
Em declarações ao jornal “Diário da Região, Duarte Pinto Gonçalves, director executivo da Macau Legend para os projectos que a empresa se encontra a desenvolver em Portual e em Cabo Verde, garantiu que a vontade em investir na cidade sadina se mantém. O responsável revelou mesmo que o grupo Macau Legende tentou acelerar o processo, ao procurar promover o arranque imediato de uma intervenção no Cais 3 do Porto de Setúbal: “Solicitámos formalmente a concessão do edifício Cais 3, tendo a mesma sido recusada justamente para incluir o mesmo no tal concurso de Marina que sairá um dia. Pretendíamos instalar equipamentos de animação, entretenimento e restauração no mesmo e arrancar de imediato com a fase 1, bem como construir o parque de estacionamento no terreno vizinho. Não foi possível, a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra entendeu de outra forma. Só nos resta aguardar.”, disse Duarte Pinto Gonçalves numa entrevista telefónica a partir do Japão, onde ontem se encontrava.
O pedido de concessão do Cais 3 da frente ribeirinha de Setúbal, explicou Pinto Gonçalves, foi apresentado em Novembro do ano passado, tendo sido chumbado já este ano. A Aministração dos Portos de Setúbal e Sesimbra fundamentou a decisão com a defesa do interesse público através da inclusão do imóvel em questão no concurso público que está a prepatar para a Marina de Setúbal.
O gestor explicou também que a empresa procurou “avançar com a fase 1” quando percebeu que o processo para concretizar o projecto na frente ribeirinha da cidade se pode prolongar por vários anos. A autarquia carece um plano de pormenor para a zona e o andamento da obra está dependente de procedimentos administrativos em que estão envolvidas diversas entidades públicas.

Fotografia: Jornal Tribuna de Macau

Apesar dos contratempos, Duarte Pinto Gonçalves garantiu, em declarações ao Diário da Região que mantém uma boa colaboração tanto com a Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, como com a autarquia sadina.
Relativamente às declarações emitidas na sexta-feira por Ana Paula Vitorino, Pinto Gonçalves é peremptório e desmente que a Macau Legend tenha a intenção de se retirar do projecto: “É totalmente falso. O interesse não é apenas na Marina de Setúbal mas em sim em desenvolver um projecto de turismo integrado na região, conforme é público. Desconheço a origem de tal notícia.”, disse o gestor, acrescentando que a empresa tenciona “levantar o caderno de encargos e conhecer as condições do mesmo” e que “só após essa análise poderemos decidir”.
Duarte Gonçalves deixa ainda assim um recado, clarificando que a Macau Legend pode vir a distanciar-se do projecto caso o concurso público se centre apenas no projecto da marina: “Esse não é o nosso core business”, lembrando que o grupo dirigido por David Chow tem um projecto mais alargado para Setúbal.
“Neste momento, mantemos [a estratégia], mas temos que aguardar, não temos outra saída, pois a zona do projecto será, ao que parece, afectada pelo concurso da Marina. Quando o concurso sair veremos.”, salientou Duarte Gonçalves. O director executivo da Macau Legend para os negócios em Portugal fez questão de vincar “o reforço da intenção de investimento em Portugal, que se mantém”, mas esclarece que a empresa quer retirar proveitos dos investimentos feitos em Portugal o mais rapidamente possível: “Gostaríamos muito de em breve estarmos a operar qualquer coisa em Portugal”, conclui.
O grupo Macau Legend Development tenciona investir até 246 milhões de euros num projecto turístico que, entre outros valências, prevê a restruturação da marina, dois hóteis de luxo, um edifício com apartamentos, um “yacht club”, um terminal marítimo para efectuar a ligação a Tróia, bem como um espaço direccionado para o comércio a retalho.
O projecto, que poderá criar até três mil emprehos, integra ainda a restruturação do casino de Tróia, a construção de um parque de estacionamento e de novas valências culturais, bem como de novas instalações para o Clube Naval Setubalense.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.