“Sisterhood” encerra ciclo de cinema no Museu do Oriente

Com assinatura de Tracy Choi, a película é exibida no próximo domingo. Antes da sessão, Rui Lopes, investigador do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, conduz uma palestra subordinada à forma como a Macau colonial foi retratada, sobretudo na década de 50, pelos grandes estúdios de Hollywood.

 

A longa metragem “Sisterhood”, de Tracy Choi, encerra a 18 de Fevereiro, no Museu do Oriente, , a primeira edição do ciclo “Cinema Macau. Passado e presente”. A sessão tem entrada livre e é precedida por uma palestra ministrada por Rui Lopes, investigador do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova. A conferência tem por tema a representação da Macau colonial no cinema de Hollywood.

Num comunicado enviado à imprensa, o Museu do Oriente explica que, durante o Estado Novo, Macau “foi a colónia portuguesa mais proeminente na ficção cinematográfica norte-americana, servindo de localização para mais de uma dúzia de enredos de crime e aventura”.

Rodado no território em 1952, “Macao”, de Joseph von Sternberg, é hoje um clássico da sétima arte.

A ligação de Macau ao universo do jogo, a reputação do território como antro de vícios exóticos e “cidade do pecado”, bem como o fascínio dos grandes estúdios de Hollywood por narrativas orientalistas, deverão ser abordadas por Rui Lopes na palestra que vai proferir na tarde de 19 de Fevereiro. Doutorado em História Internacional, o investigador propõe-se abordar o contexto em que se materializaram as referidas produções, bem como as implicações da forma como o colonialismo português em Macau foi retratado por Hollywood.

Para o fascínio contribui o facto de o então enclave “se encontrar simultaneamente situado numa fronteira da guerra fria e dominado por uma potência fora do sistema de Bretton Woods, elementos propícios a tramas de intriga em torno de espionagem e contrabando”, complementa o Museu do Oriente, na nota de imprensa enviada aos meios de comunicação social. Entre os filmes gravados no território na década de 50 estão “Macao”, de Joseph von Sternberg, “Forbidden”, com Tony Curtis no principal papel ou ainda “Love is a Many-Splendored Thing”, a película que venceu o Óscar para a Melhor Música original em 1956.

A exibição de “Sisterhood” encerra o ciclo de sete sessões de cinema que o Museu do Oriente dedicou a Macau. Com curadoria da jornalista e crítica de cinema Maria do Carmo Piçarra, “Cinema Macau. Passado e Presente” procurou reflectir sobre “a pluralidade de olhares sobre Macau durante o século XX, bem como após o regresso do território à soberania chinesa. Apesar do pano sobre a iniciativa promovida pelo Museu do Oriente cair a 18 de Fevereiro, vai continuar a falar-se do cinema de Macau em Lisboa, com a iniciativa a prolongar-se até 26 de Fevereiro na Cinemateca Portuguesa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.